Fiat prepara reviravolta

Fernando Calmon • 09/06/2018 12:30:51

A história mostrou muitas surpresas ao longo de mais de 130 anos desde a patente do primeiro automóvel em 1886 por Karl Benz. Muitas marcas apareceram e sucumbiram, mas pelo menos 20 mantêm-se no mercado há mais de 100 anos. Uma delas é a Fiat que enfrentou dificuldades financeiras e acabou se fundindo com a Chrysler.

O artífice desse plano foi Sergio Marchionne, então presidente do grupo italiano. Ele recebeu do governo dos EUA a marca ame­ricana, que havia falido em 2009, para depois formar a FCA (Fiat Chrysler Automobiles) em 2014. O executivo ítalo-canadense vai se despedir da companhia em março do próximo ano, depois de cumprir uma jornada de consolidação do grupo.

Marchionne conseguirá zerar a dívida operacional da FCA ao final deste semestre, considerado um grande feito administrativo e estratégico para o futuro. No dia 1º de junho último apresentou, em Balocco, Itália, um novo plano de negócios para o período 2018- 2022, a ser tocado por seu sucessor, que só será conhecido no início de 2019. A plateia era de analistas financeiros, representantes do mercado de capitais e jornalistas de economia e de produto.

O atual presidente da FCA é uma pessoa determinada e auda­ciosa, além de ter contado com um pouco de sorte. Foi cobrado por ter ficado muito longe da meta de 400.000 modelos Alfa Romeo vendidos por ano (apenas 110.000 em 2017). Foi prudente em re­lação à automação. Hoje muitos já oferecem o nível 2, mas o nível 3 (motorista não precisa colocar as mãos no volante, mas deve su­pervisionar) tem custo estimado em US$ 30.000/R$ 114.000, algo inviável.

Seu conceito de eletrificação é bastante pragmático. Vai desde motor elétrico para ajudar um turbocompressor, arquitetura de 48 volts e alternoarranque em motores a combustão, passando pelo híbrido básico, híbrido plugável e carro a bateria. Todas essas solu­ções serão empregadas pelas várias marcas do grupo.

Marchionne transformará a Fiat em marca de nicho de peque­nos modelos urbanos, na Europa, com o 500 e o Panda. Mas para a América Latina os planos são bem mais amplos. Garantiu que terá três novos SUVs, sem adiantar pormenores. O que se espera: um com base na plataforma Argo/Cronos (2020), o outro uma vertente aventureira/crossover a partir do Mobi renovado (2021), ambos pre­vistos para Betim (MG), onde também se produzirá a nova geração da picape Strada (2020).

O terceiro SUV será uma versão Fiat do Jeep Compass de sete lugares, ambos reservados para Goiana (PE), em 2020. Trata-se de um produto novo, de dimensões internas e externas maiores, pro­vavelmente a partir da base do novo Cherokee. A FCA também terá uma picape para uma tonelada, maior que a Toro, com esque­ma tradicional de carroceria sobre chassi. Utilizará a marca RAM, mas será importada do México (2021).

Antonio Filosa, que comanda o Grupo FCA América Latina a partir de Betim, acrescentou que ainda haverá quatro renovações profundas das linhas atuais das duas marcas nos próximos três anos. Ele descartou, porém, produção no País de um modelo menor que o Renegade. Apelidado de Baby Jeep, está nos planos da com­panhia anunciados em Balocco, para 2021 ou 2022. É certo que será, então, importado para o Brasil.

 

RODA VIVA

IMPRESSÃO 3D mudará o conceito de fabricação de veículos. Apon­ta para reduções importantes de custos de produção em combina­ção com Indústria 4.0 e Internet das Coisas. Permitirá também redução de estoques e maior per­sonalização de acessórios para o consumidor. Semana que vem ocorrerá conferência e exposição em São Paulo sobre o tema.

 

EMBORA a BMW fizesse algum mistério, haverá sucessor do Z4, descontinuado em 2016. O novo roadster (conversível de dois lu­gares) foi mostrado agora, ainda disfarçado, em campo de testes na França. Além da silhueta clássica de motor dianteiro, capô longo e tração traseira, a fábrica adianta que haverá novo propul­sor de seis cilindros e alta potên­cia. Nada de híbrido...

 

CRONOS tem como destaques es­tilo atual e interior bem projetado com materiais de bom aspecto para seu nível de preço. Espaço atrás para pernas é algo limita­do: sedãs concorrentes dispõem de distância entre eixos bem maior. Relação conforto-estabi­lidade das suspensões é ponto alto. Motor de 1,8 L mostra certa aspereza, enquanto o de 1,3 L é suave, mas falta fôlego.

 

BLITZ de trânsito é comum nas cidades brasileiras e vem au­mentando por conta da fiscaliza­ção do índice de alcoolemia dos motoristas. Site Doutor Multas sugere quatro ações, às vezes esquecidas: obedecer logo às ordens dos agentes de trânsito e policiais; não dar motivos para que suspeitem de sua conduta; descartar postura defensiva ou agressiva; não tentar fugir da blitz.

 

CÂMERAS de ré começaram a ser obrigatórias este mês em todos os veículos vendidos nos EUA. Em geral são modelos de porte maior que os europeus e menor visibilidade traseira. Estudos fo­ram profundos e sem antecipar prazos, como Latin NCAP costu­ma preconizar. Lei foi aprovada pelo congresso americano em 2008, regulamentada só em 2014 e em vigor agora.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste