Cautela com subsídios

Fernando Calmon • 02/06/2018 10:53:47

O verdadeiro pesadelo nacional em que se transformou a greve dos caminhoneiros termina com balanço nitidamente de perde-perde. Perderam a sociedade com prejuízos aos deslocamentos e desabastecimentos; as atividades econômicas em quase sua totalidade; o governo federal por ser obrigado a subsidiar o preço do diesel; e os próprios manifestantes porque nos últimos dias houve desgaste na imagem positiva dos que labutam ao volante

de forma solidária e profissional.

 

Uma das coisas estranhas no acordo entre governo e motoristas é a generalização de isenção de pedágio por eixo suspenso dos caminhões. Isso não é adotado em outros países simplesmente pela dificuldade de fiscalizar se semirreboque ou baú estão mesmo vazios. Há racionalidade em levantar um eixo para poupar pneus e combustível, mas está longe de ser uma solução correta e justa para todos que pagam pedágio, além dos caminhoneiros.

 

Esta é a quinta paralisação nas estradas desde 2000. Em todas as vezes se questiona a vulnerabilidade do Brasil quanto à concentração de rodovias nos modais de transporte. Essa “fraqueza” existe, mas não é exclusividade nossa. Na Europa Ocidental, por exemplo, o porcentual de 60% é bem próximo ao existente aqui. Mesmo nos EUA, onde a rede ferroviária é sete vezes maior que a brasileira (210.000 km contra 30.000 km, aproximadamente), as

mercadorias transportadas por estradas, em valor, representam algo perto de 60%.

 

Independentemente da participação inadequada dos modais há grandes gargalos logísticos no Brasil. Como um país com 8.000 km de litoral e tantos portos continua quase a desprezá

-los? Mas algo precisa ser dito sobre a participação de estradas pavimentadas na malha total. Apenas 12% não são de terra. À exceção da África, nosso país é caso único no mundo. Se essa

proporção dobrasse, por exemplo, rodovias seriam competitivas mesmo em relação às ferrovias em grandes distâncias. Basta ver os treminhões em algumas estradas brasileiras.

 

Subsídio ao óleo diesel precisa ser visto com cautela. Em termos de preços internacionais o país está agora, como sempre esteve, no meio termo entre o que se cobra nos EUA e na União

Europeia. Mesmo em relação aos nossos vizinhos o preço não é muito diferente, sem contar a Venezuela onde fica quase de graça. Se o preço internacional e a cotação do dólar sobem, o repasse torna-se inevitável. O ritmo dele pode se atenuar, mas alguém vai pagar de qualquer jeito na forma de impostos ou de diminuição de incentivos em outros ramos da economia.

 

Bom lembrar também que picapes médias e SUVs de tração 4x4 podem abastecer livremente com esse diesel subsidiado. Na maioria dos casos, trata-se de modelos caros e de uso não comercial. Preço diferenciado na bomba é inexequível. Aumento do IPVA, específico para esse tipo de veículo-utilização, pode ser alternativa. Outra solução: voltar ao que sempre foi. SUVs só com motor de ciclo Otto (gasolina ou flex).

 

Legislação de emissões para motores diesel em picapes e SUVs é muito frouxa no Brasil: pega carona no uso em caminhões leves. Sem inspeção veicular pode se tornar um problema nas

grandes cidades, cedo ou tarde.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste