O que podemos esperar? No que podemos somar?

 10/01/2018 13:57:12  - Marcos Alves Borba

Com o que vem acontecendo em nosso país, sem muita modéstia, ainda somos vítimas de nossas próprias conspirações e, mesmo não fazendo parte diretamente de qualquer que seja o sistema, isso ainda perdura de nossas ações. O que é politicamente correto ainda não tenha a ética, de quem realmente assuma suas responsabilidades e não se faça de vítima. Seja essa talvez, o recomeço de que ainda teremos a chance de acreditar que se cada um fizer a sua parte, sem dúvida, todos serão beneficiados.

O ano de 2018 realmente promete e muito, desde que não tenhamos em mente (e isso já está incutido), a velha mania, “que ainda perdure e se espere passar o carnaval”. É notório que nossas manias e, muitas delas, se propagam baseado no que nosso calendário pode nos educar, sendo uma maneira de que aqui, só realizamos as coisas baseados conforme a data prevista por aquilo que já está definido. Desde já, os fatos que já acontecem por si só nos preocupam por uma simbiose alheia aos gestos e manias daqueles que nos governam, mas que, mesmo sabendo de nossas inocentes opiniões, podemos mudar de ideia e no dia considerado “D”, ainda iremos aceitar suas promessas e mantê-los onde estão. Continuaremos a ser ou nos fazer de vítimas até quando?

Ano de eleições, de carnaval novamente, de Copa do Mundo, de manifestos, de invasões prisionais, de sem teto, sem terra, sem leite materno suficiente, sem hospitais, sem médicos; de balas perdidas, de corrupção novamente, falta de empregos, sem lenço e sem documentos. Ufa! Quão diferente podemos nos tornar, se assemelhados as nossas indiferenças, sendo que ainda e por enquanto não temos a mínima ideia até quando podemos suportar tudo isso.

Se somos pais não esperemos pela formação de nossos filhos. Não esperemos pelo epitáfio. É preciso que o sentido da vida tenha sua busca constante pela sua essência diária. Todo dia é dia de começar e construir. Se somos ativistas, não esperemos pelas aquisições serem implantadas, para que nossas atitudes surtam algum efeito benéfico ao propósito. Se buscamos uma tão esperada qualidade de vida e bem estar junto aos nossos familiares, amigos, colegas de trabalho e quem mais considerarmos ser importantes em nossas vidas, então que tenhamos um hábito forte de agir perante os desafios que a vida sempre nos propõe, e tenhamos constância e disciplina.

Se um dia como jovens, fomos á luta por um país que credencia de suas raízes e se orgulha de seu hino, jamais poderemos deixar de criar um estímulo que fortaleça essa nova geração. Que se sensibilizem de um clima tropical, que se orgulhem dessas terras férteis e que tanto gera alimentos, apesar de alguns Estados dependerem e muito do que pode vir do céu. Mas, é notório que ações que vinculem o homem às suas responsabilidades, em gerar resultados para um povo que precisa não se omita jamais, quando a oportunidade de selar seu compromisso chegar a hora de quem pode escolher seu representante temporário no dia das eleições.

Daqui algum tempo, e que não demore muito, poderemos ter o orgulho de que tudo isso e algo mais foi resultado de um trabalho em que cada um, dentro das devidas proporções, tentou e buscou fazer o melhor. Que essa nova geração, mesmo tendo tempo suficiente de suas habilidades tecnológicas, e até mesmo em excesso, queiram dialogar verbalmente com os mais experientes podendo se mover e agir por uma cidade e até por um país melhor.

Comentário