Em Pacaembu

Visitantes ocultam ilícitos para entrar em penitenciária

Drogas e eletrônicos estavam dentro de cotonetes, linguiças, recipiente de creme hidratante e óculos; mulheres foram suspensas de visitas

ROBERTO KAWASAKI - Da Redação • 06/11/2018 13:16:17

Materiais estavam com visitantes na Penitenciária Ozias Lúcio dos Santos, em Pacaembu. Foto: AI da SAP

No final de semana, agentes da Penitenciária Ozias Lúcio dos Santos, em Pacaembu, impediram a ação de duas mulheres que entrariam com drogas e aparelhos eletrônicos na unidade prisional. De acordo com a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária), no sábado, as visitantes utilizaram de meios “ousados” de ocultação dos ilícitos, como fios de estanho dentro de cotonetes e linguiças, cola em recipiente de creme hidratante e componentes eletrônicos camuflados em dois óculos. Além destes, elas estavam com cinco chips de celular, haxixe e cocaína nas genitálias. Nos flagrantes, as envolvidas foram suspensas do rol de visitas, e os sentenciados isolados previamente para apuração dos fatos. 

Já em Junqueirópolis, cinco mulheres foram impedidas de acessar o sistema prisional. Conforme a pasta, uma visitante foi flagrada com uma placa de celular inserida no órgão genital, e outra estava com um pacote de chocolate em pó com substância esverdeada, aparentando ser maconha. Ainda, outras três mulheres também foram flagradas durante os procedimentos de revista trazendo maconha, cocaína e celular. Na ocasião, uma delas precisou ser levada à santa casa para fazer exame de raio-x para confirmar o eletrônico, pelo fato de ter negado a posse.

Na Penitenciária Tacyan Menezes de Lucena, em Martinópolis, agentes de segurança recolheram dois micros celulares no bojo de um sutiã, e duas porções de cocaína com esposas de dois sentenciados. Em outra abordagem, a companheira de outro presidiário tentou ingressar na unidade com cocaína na genitália, o que foi descoberto. Em Irapuru, ao passar pela revista mecânica corporal, uma mulher retirou dois invólucros de maconha também da genitália e, no mesmo órgão, outra escondia um celular. O último caso foi descoberto na Penitenciária Silvio Yoshihiko Hinohara, em Presidente Bernardes.

Um aparelho celular também foi recolhido na Penitenciária AEVP Cristiano de Oliveira, em Flórida Paulista. Na ocasião, a visitante estava com eletrônico no órgão genital, o que foi identificado pelo aparelho de scanner corporal. Diante dos fatos, ela foi conduzida à Delegacia de Polícia Civil para procedimentos pertinentes, sendo lavrado boletim de ocorrência, assim como em todas as abordagens.

 

 

 

 

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste