José Reis - Caminhões da Prefeitura passaram recolhendo materiais que estavam nas ruas e casas

Foto: José Reis - Caminhões da Prefeitura passaram recolhendo materiais que estavam nas ruas e casas

ZONA LESTE

VEM realiza pente-fino na área 4 de Prudente

Local compreende bairros como Parque Alvorada e adjacências, local onde morava a primeira vítima que morreu por conta da dengue no município

  • 26/05/2019 04:26
  • THIAGO MORELLO - Da Reportagem Local

Até o momento, Presidente Prudente possui uma morte confirmada por conta da dengue e outra suspeita, que ainda aguarda o resultado dos exames, conforme a VEM (Vigilância Municipal Epidemiológica). Em comum, ambas as vítimas são moradoras do Parque Alvorada, bairro que pertence à área quatro da cidade. Na manhã de ontem, pensando na intensificação do combate ao mosquito Aedes aegypti, tal perímetro recebeu um pente-fino do órgão municipal, com ações de prevenção e orientação aos moradores do entorno.

Além do Parque Alvorada, a área quatro de Prudente compõe a zona leste da cidade, portanto, também compreende bairros como Vila Furquim, Jardim Itapura 1 e 2, Jardim Sumaré, Jardim Itapuã, Jardim Brasília, Jardim Planalto, Jardim Santa Mônica e adjacências.

À reportagem, a supervisora da VEM, Elaine Bertacco, explica que a localidade em questão foi escolhida como um dos primeiros pontos a serem visitados, principalmente pelos acontecimentos recentes, que envolvem o óbito e a suspeita de óbito por conta da doença. Sendo assim, ela pontua que o trabalho das equipes ontem foi, além de recolher os materiais que poderiam servir como criadouro do vetor nas ruas e residências, “orientar ainda mais a população sobre a importância de se preocupar como o problema”.

Por volta das 9h, o aposentado Juscelino Ferrari, 88 anos, estava a postos, em frente a casa dele, na espera para receber a orientação das equipes de trabalho. Ao lado dele, na calçada, uma pilha de materiais velhos e inutilizáveis por ele, que seriam pontos perfeitos para se tornarem um criadouro. “Eu fiquei sabendo agora cedo mesmo que o pessoal vinha, então já tratei de arrumar tudo para que possam levar embora”, completa.

E dentro de casa, ele garante que faz a parte dele, principalmente porque já sentiu a doença na pele. Há uns três anos, seu Juscelino teve dengue, e foi o suficiente para que ele não quisesse passar por isso de novo. “Então é importante que todo mundo faça sua parte, tanto a gente quanto esses mutirões da Prefeitura”, sinaliza.

Tal importância também é compreendida pela aposentada Maria Pereira, 73 anos, que também tinha um pouco de material para ser coletado. Quando o viu o caminhão, ela até saiu correndo para que a oportunidade não passasse. “Tem que se preocupar e não deixar nada que possa dar chance para o mosquito. Porque é o que sempre dizem né, não adianta eu fazer e o meu vizinho não. O risco será o mesmo”, completa. Ela conta à reportagem que também já teve a doença.

Emergência

Na quinta-feira, a Prefeitura decretou situação de emergência na cidade, conforme decreto publicado no Diário Oficial do Município. Com a publicação, abriu-se também diálogo entre os poderes Legislativo e Executivo - além das demais repartições municipais, como secretarias -, que se reuniram ainda em um encontro emergencial. Na ocasião, como noticiado por esse diário, a ideia também serviu para discutir a situação da doença e dar a oportunidade de explorarem possíveis medidas a serem adotadas.