José Reis  - Torneio interno reuniu alunos de 10 a 18 anos na manhã de ontem

Foto: José Reis - Torneio interno reuniu alunos de 10 a 18 anos na manhã de ontem

SESI

Torneio interno de badminton promove integração entre alunos

Participantes eram os estudantes inscritos no PAF (Programa Atletas do Futuro), com idades que variam entre 10 e 18 anos; modalidade está inserida na escola desde 2013

  • 14/04/2019 06:25
  • GABRIEL BUOSI - Da Reportagem Local

O ginásio do Sesi (Serviço Social da Indústria), de Presidente Prudente, realizou ontem um torneio interno de badminton para os alunos, em uma ação que já é comum para os estudantes. Segundo a técnica de esportes da unidade, que fica no Parque Furquim, Mayara Bacarin, os jogos ocorrem pelo menos quatro vezes ao ano, de forma que ontem foi a primeira delas em 2019. “Conseguimos misturar o esporte e mostrar o papel social dos jogos”.

Ainda conforme Mayara, os alunos participantes são aqueles inscritos no PAF (Programa Atletas do Futuro), com idades que variam entre 10 e 18 anos. Com a modalidade inserida na escola desde 2013, ela afirma que hoje, por lá, ela não é mais uma novidade. “O Sesi tem conquistado muito espaço com esse esporte e levado ele para muitas pessoas. Temos hoje 200 alunos aqui e que o praticam e isso é gratificante”. Ela lembra que, além da prática da modalidade, o objetivo é levar o papel social, que é o de formar as crianças em cidadãs.

Leandro Virgolino, 11 anos, está no sexto ano e afirma que participa da modalidade há seis anos. Ele afirma que foi no Sesi que conheceu o esporte e lembra da importância dos jogos. “Me deixa muito feliz, pois me permite competir e fazer amigos. Além disso, aprendemos sobre disciplina e respeito ao próximo”. O pequeno afirma que pretende se profissionalizar.

Renato Sampaio, também de 11 anos, afirma que o contato com o badminton é recente, faz pouco mais de um ano, e lembra os benefícios ao olhar dele. “Eu tinha uma raquete em casa e resolvi arriscar. Penso que é uma oportunidade de tirar as crianças do sedentarismo e mostrar que existe diversão fora da tecnologia”.