Hoje, existe uma variedade de pimentas, que temperam pratos de cozinhas tão distintas quanto à baiana e a árabe

Foto: Hoje, existe uma variedade de pimentas, que temperam pratos de cozinhas tão distintas quanto à baiana e a árabe

Toque Picante

  • 21/08/2019 05:35
  • Delícias & Delícias

Com vários nomes, cores e formas, as pimentas perfumam e dão sabor a doces e salgados. Quando chegaram à América, os espanhóis se apaixonaram pelos frutos picantes e coloridos das plantas da família do pimentão e os levaram para a Europa. Começou uma disputa com a pimenta-do-reino, especiaria do Oriente que já competia com a malagueta africana. Chamados todos de pimenta, os novos frutos passaram a ser consumidos secos e moídos. Hoje, existe uma variedade de pimentas, que temperam pratos de cozinhas tão distintas quanto à baiana e a árabe. Para não errar na escolha, veja alguns tipos:

•           Pimenta-do-reino branca: os grãos são colhidos maduros e, depois, deixados para secar. Pouco picante, é indicada para carnes brancas e peixes.

•           Pimenta-do-reino verde: colhida antes da maturação, também pode ser adquirida em conserva de óleo ou vinagre. É ideal para molhos e patês.

•           Pimenta-do-reino preta: sua colheita é feita com o fruto verde. Depois, seca ao ar livre e os grãos ficam escuros e enrugados. Vai bem com qualquer prato.

•           Dedo-de-moça: comum em todo o país, é suave. Perfeita em peixes, moquecas e no vinagrete.

•           Malagueta: tem origem africana, é muito picante. Pode ser usada fresca, moída ou seca (veja chili)

•           Chili: para americanos e mexicanos, é qualquer pimenta, como a malagueta seca.

•           Cumarim: na Itália é o peperoncino. Ardida e amarga, combina com carnes e feijão.

•           Cambuci: surgiu na Bolívia e no Peru, mas também é comum no sul do Brasil e norte da Argentina. Um pouco doce, aromatiza os refogados.

•           Pimenta-de cheiro: também conhecida como pimenta-bode, é picante e muito usada em pratos baianos.

•           Pimenta caiena: é da Guatemala, tem sabor forte e aparece nas cozinhas mexicana e asiática, em saladas e molhos. A caiena em conserva é forte e mais usada na mesa do que no preparo de pratos.

•           Pimenta da Jamaica: nativa da América Central e do México, é adocicada. Vai bem em carnes, embutidos, pães, bolos e cremes doces.

•           Pimenta rosa: não é uma pimenta, mas o fruto da aroeira. Suave, combina tanto com salgados quanto com doces.

É bom saber...

•           Usada com moderação, a pimenta funciona como estimulante do apetite, descongestionante, antinflamatório e expectorante. Cuidado apenas com a pimenta-do-reino. Em excesso, pode irritar o aparelho digestivo.

•           Se errar na mão, não tome água. Ela espalha o ardor por toda a boca. Prefira iogurte, leite, cerveja, que interagem com as substâncias picantes, neutralizando-as.

Sugestão para o aperitivo: Requeijão cremoso com geléia de pimenta, servido com torradinhas.

 

NUTRIÇÃO

Preserve os ossos

Dietas não balanceadas, uso de remédios para emagrecer e sedentarismo acentuam a osteoporose. Saiba como evitá-la:

 

•           Consuma alimentos como: leite, iogurte, queijos, bacalhau, sardinha e verduras ricas em cálcio (brócolis, espinafre, rúcula, couve).

 

•           Limite-se a quatro xícaras (café) de café por dia. Em excesso, ele acelera a eliminação de cálcio pela urina.

 

•           Pulverize gergelim sobre as saladas e massas e adicione 1 colher (sopa) de leite em pó às vitaminas e aos sucos.

 

•           A osteoporose torna-se cada vez mais frequente, na medida em que os erros alimentares se tornam mais intensos e a prática de esportes, menos valorizada.

 

•           A grande quantidade de vitaminas e sais minerais presente nos vegetais favorece o bom funcionamento ósseo e ajuda na remoção de substâncias tóxicas do trato gastrintestinal, prevenindo assim o aumento da acidez sanguínea e a desmineralização óssea.

 

•           Os alimentos fritos, picantes, oleosos e o excessivo uso de comidas refinadas, como doces, produtos de confeitaria, pães e outros produtos do trigo refinado, são importantes fatores que contribuem para o surgimento de doenças articulares.

 

•           É importante que nos preocupemos com a questão alimentar na prevenção e no controle da osteoporose, principalmente pelo fato de que este tipo de alimentação a que nos referimos será também altamente benéfico na prevenção e no controle de diversas outras patologias, principalmente as doenças cardiovasculares.

ÚLTIMAS DO AUTOR