Primeira fase

Tema da redação do Enem agrada professores e candidatos

Exame apresentou a menor porcentagem de ausências desde 2009; docente avalia conteúdo da prova e alunos comentam experiências 

GABRIEL BUOSI - Da Redação • 06/11/2018 05:59:00

Valmir diz redação surpreendeu por pertinência com a atualidade. Foto: Arquivo

Ocorreu no domingo a primeira etapa do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), quando os candidatos foram às salas de aula encarar as provas de linguagens, códigos e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias e a redação, que, neste ano, contou com o tema “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”. Para o professor de língua portuguesa do Colégio Anglo Prudentino, Valmir Rogério Faili, o assunto da parte mais temida da prova, a redação, pode ser encarado como “bastante amplo” e que surpreendeu por sua pertinência com a atualidade. “Penso que só não se deram tão bem aqueles alunos que focaram exclusivamente nas fake news – notícias falsas -, que eram uma vertente do tema, mas não o foco”. No Estado de São Paulo, dos 937.348 inscritos, 26,7% estiveram ausentes.

Ainda por falar em números, o MEC (Ministério da Educação) divulgou que, neste ano, a primeira etapa do Enem registrou o menor percentual de ausentes desde 2009, quando o exame passou a ter dois dias, sendo que das 5.513.749 inscrições confirmadas, 1.374.430 participantes não compareceram em todo o país, o que gera um percentual de ausência em 24,9%. “Como a abstenção é um dado que considera os dois dias de aplicação, esse número pode diminuir, mas não aumentar”. Os testes rodearam as áreas de linguagens, códigos e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias, mas a redação é quem rouba a cena todos os anos.

“O tema permitiu diversas abordagens e isso é muito pertinente. Só tive contato com meus alunos até o momento, e como trabalhamos e discutimos muito esse assunto dentro da sala de aula, vi que eles estavam bem preparados”, afirma o professor. Ainda de acordo com o docente, pelo pouco que ele teve de contato com o restante do exame, é possível afirmar que a prova deste ano já apresentou ter muito mais conteúdo, o que a torna cada vez mais parecida com grandes vestibulares. “As questões foram muito bem exploradas, os gêneros textuais bem trabalhados e a exigência maior foi a capacidade de leitura e conhecimento dos alunos”.

Valmir ressalta, por fim, que os diversos temas abordados, como a violência contra a mulher, a ditadura e assuntos sociais caracterizam o perfil do Enem, que notoriamente seria mais voltado à relação do cidadão com o ambiente em que ele vive e com a discussão de problemáticas sociais relevantes. “Estes assuntos caíram em todos os cadernos e não apenas no de linguagens, e essa é uma tendência para o segundo dia de provas”, comenta.

Experiências com a prova

O candidato Marcos Vinícius Fernandes Mendes afirma que se inscreveu para a prova com a intenção de pleitear uma vaga por meio do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), sendo que esta não foi a primeira vez que ele teve que encarar o exame. “A prova mudou muito de 2016 pra cá. Provavelmente pela mudança da banca de correção e aplicação. Porém, os textos estavam mais fáceis para compreensão e em poucas questões eu tive que voltar para reler”, afirma.

Ainda segundo Marcos, a primeira etapa no domingo foi mais fácil, por ser de humanas, sendo que a expectativa e ansiedade agora ficam em cima do segundo dia, na próxima semana, quando os alunos vão realizar os testes de exatas. Sobre a redação, ele afirma que o tema o agradou, e disse que mesmo não dominando o assunto, conseguiu desenvolver um bom material e com bons argumentos. “Foi bem tranquilo até, passando os 10 minutos iniciais de ansiedade da prova eu consegui me concentrar e encaixar o tema no formato que eu escrevo”.

Já o candidato de 20 anos, Júlio César Dos Santos, afirma que a intenção é a de conquistar uma vaga para o curso de Enfermagem por meio do ProUni (Programa Universidade para Todos), e ressalta que mesmo com as poucas dificuldades encontradas, não foi difícil realizar o exame. “Achei o tema da redação bem atual, pois estamos em uma era tecnológica. Agora, a expectativa fica para a segunda prova, e nesta semana pretendo estudar, mas também descansar”, expõe.

SAIBA MAIS

Conforme o MEC (Ministério da Educação), em todo o país a aplicação de provas ocorreu de forma tranquila, sem ocorrências graves, sendo que foram registrados 87 casos de interrupção de energia elétrica, e em dois locais de prova a aplicação precisou ser interrompida. Os casos são de Porto Nacional (TO) e Franca (SP), sendo que os participantes terão direito à reaplicação do primeiro dia, em 11 de dezembro, e deverão comparecer às provas do próximo domingo normalmente. Ao todo, 71 participantes foram eliminados - 67 por descumprimento de regras gerais do edital, dois por problemas após revista no detector de metal e dois por uso de ponto eletrônico.

SERVIÇO

A aplicação do Enem 2018 continua neste domingo, 11 de novembro, com as provas de ciências da natureza e suas tecnologias e matemática e suas tecnologias, conforme o MEC (Ministério da Educação). A prova terá cinco horas de duração para resolução de 90 questões, 30 minutos a mais que no ano passado. “Essa é uma das novidades da edição, que também ampliou, em cinco vezes, o número de detectores de ponto eletrônico. Os gabaritos e cadernos de questões serão liberados em 14 de novembro, no site do Enem. Os resultados estão programados para 18 de janeiro de 2019”.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste