Sr. presidente!

  • 08/01/2020 04:15
  • Marcos Alves Borba

É notório que façamos uma revisão de nossos anseios e desejos, caso queiramos seguir adiante. Nossas inquietações, e por enquanto, nos propõem a repensar o quanto ainda precisamos evoluir, se quisermos fazer de nosso país um lugar que tenha créditos, e que por suas grandes riquezas e seus valores, outros países possam atribuir seus interesses. E nisso todos nós sabemos que temos, desde que nossos governantes emitem a praticar o trabalho sério e de parceria, por agregar o que verdadeiramente o nosso povo necessita e precisa.

A bem dita e velha política, aquela que podemos considerar como o resultado impróprio de uns tempos para cá, que por interesse próprio deixou o nosso povo esperançoso, por promessas que por algum tempo se sentiram os mais pops do mundo, se assim podemos dizer. Ainda, e não saberemos por quanto tempo, mesmo aqueles que já aprontaram ficam a mercê do aguardo.

Sr. presidente, seja você de direita, de esquerda ou de centro. Trabalhe seus impulsos, mesmo que seus aliados estejam de prontidão ao lhe importunar nas primeiras ações consideradas inelegíveis. Procure, mesmo de forma menos impensada, não se forjar a acreditar que seus efeitos promissores estejam totalmente equivocados. Nada disso, ouse e entenda que mesmo uma nação considerada desacreditada por enquanto, ainda tem fôlego para a tão esperada linha de chegada.

Os interesses, por mais desalinhadas que possam ser as pessoas, e sem dúvidas que são muitas que almejam todos os quesitos que dignificam e proclamam um país sério, de seus valores, sendo na saúde, na educação, no transporte, na melhor distribuição de rendas, e principalmente ao respeito por cada brasileiro desse enorme território.

Há necessidade urgente de se arregaçar as mangas, e não ficarmos na expectativa dos resultados considerados plausíveis por poucos, por acharem que os festivos momentos são de glória. Ainda há tempo, mesmo a grande maioria ficando prostrada de que tem seus direitos, isso na verdade podemos considerar como uma ignomínia, caso entendam assim.

A percepção da lógica de que nada muda se você não muda, sem dúvidas que o caminho será menos tortuoso de nossas ações, se não ficarmos na espera do que realmente possa vir. Nossos impulsos também precisam ter um diagnóstico de que esses resultados sempre serão uma forma de que juntos somos muito mais fortes.

 

 

 

 

 

 

 

 

ÚLTIMAS DO AUTOR

A indústria do carnaval!

  • 19/02/2020 05:10

Ser o último...

  • 05/02/2020 06:07

Sua promessa, tá de pé?

  • 22/01/2020 04:27
Marcos Alves Borba

Marcos Alves Borba

Marcos Alves Borba é educador físico, coach (Sociedade Brasileira de Coaching) e palestrante.

Contato: marcosaborba@hotmail.com

PUBLICIDADE