Simples gesto em “urnas” pode fazer grande diferença na vida  

23/05/2018 08:23:59

Mesmo com todo o avanço tecnológico e também da medicina, o câncer é hoje uma das principais causas de mortes no mundo. Quando surge, não escolhe classe social, nem idade. Crianças cada vez mais novas, jovens repletos de sonhos e planos, tendo que se submeter a rigorosos tratamentos para enfrentar a difícil batalha contra a doença. A história mais recente, que ficou conhecida em todo o país, foi a da blogueira Nara Almeida, que morreu na madrugada de segunda-feira, aos 24 anos, vítima de um câncer raro no estômago.

Ao compartilhar diariamente detalhes do tratamento e de seu estado de saúde nas redes sociais, sempre com mensagens de fé e esperança - mesmo deitada há meses em uma cama de hospital, ligada a cabos e a uma sonda fixa no nariz -, a modelo acabou servindo de inspiração para muita gente. Não só para aquelas que passam pela mesma situação e pensam logo em desistir, mas também para quem precisava desse chacoalhão para dar mais valor à vida.

Relembrar os primeiros sintomas, os exames realizados para a descoberta do problema, foi uma maneira que Nara encontrou para também conscientizar e alertar seus quase 4 milhões de seguidores. Ela não deixou de relatar as reações ao tratamento, inclusive, quando jovem, bonita, famosa, por divulgar produtos de marcas conhecidas na internet, teve que ver seu cabelo cair, por conta da quimioterapia.

Embora a queda seja transitória, esse período delicado do tratamento assusta muitas mulheres que, já debilitadas emocionalmente pela doença, podem ter sua autoestima abalada. É pensando nisso, que o HRC (Hospital Regional do Câncer) de Presidente Prudente desenvolve, desde fevereiro, em parceria com a ONG (organização não-governamental) Amor em Mechas, o projeto Urnas do Amor. Com ação, que disponibiliza uma urna na sede do hospital e outras 19 em salões de beleza da cidade, onde são depositadas mechas de cabelos, o HRC já atingiu a marca de 250 doações e a distribuição de 40 perucas.

Para as doadoras que gostariam de realizar o corte no próprio hospital, ele pode ser feito, das 8h às 12h, toda sexta-feira. A exigência é que o cabelo esteja limpo, seco e que a doação seja de no mínimo, 15 centímetros, podendo ser do comprimento total ou de mechas no meio.

Estar triste e deprimida interfere no sistema imunológico da pessoa. O apoio emocional e os cuidados com os pacientes com câncer são fatores essenciais para a sua recuperação. Durante o tratamento, o que eles mais precisam é de carinho e solidariedade, a grande palavra, sem dúvida, nesta batalha. Gestos simples, mesmo que pequenos, podem fazer toda a diferença.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste