Weverson Nascimento - Ação envolveu treinamento e alinhamento dos funcionários para abandono do prédio

Foto: Weverson Nascimento - Ação envolveu treinamento e alinhamento dos funcionários para abandono do prédio

PREVENÇÃO

Sesi realiza simulação de princípio de incêndio

Atividade envolveu cerca de mil pessoas, entre alunos, funcionários e usuários da instituição, e teve como objetivo preparar os envolvidos para um possível caso real

  • 12/06/2019 07:41
  • WEVERSON NASCIMENTO - Da Redação

Às 8h da manhã de ontem, os sinalizadores sonoros de incêndio tomaram conta da unidade do Parque Furquim do Sesi (Serviço Social da Indústria) de Presidente Prudente. De forma simulada, a ação ocorreu para o treinamento e alinhamento da equipe de funcionários para abandono do prédio por acidente e princípio de incêndio. A simulação envolveu cerca de mil pessoas, entre alunos, funcionários e usuários do Centro Educacional e Centro de Qualidade de Vida, e teve como objetivo preparar os envolvidos para um possível caso real. O treinamento, inicialmente, foi liderado pela brigada de incêndio da unidade, até a chegada do Corpo de Bombeiros. Além disso, a Semob (Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana e Cooperação em Segurança Pública) atuou com o auxílio de veículos no local.

De acordo com o guarda vidas e coordenador da brigada de incêndio do Sesi, Silvio José Marcolino, de 55 anos, uma das preocupações da unidade diz respeito à segurança dos alunos,  para tanto, a unidade conta com uma equipe de primeiros socorros, que age no balneário e também na escola. Os brigadistas são divididos por blocos que contemplam todos os setores da unidade.  “Nesta atividade simulamos um acidente na academia (Bloco B) e o sistema de alarme soou em todo o prédio, dessa forma os brigadistas ficaram de prontidão para atenderem ao ocorrido. Cada um teve sua função como combate ao incêndio, auxílio no abandono do prédio, além da vigilância na portaria até que chegue o suporte do Corpo de Bombeiros”, destaca.

O coordenador considera que o maior intuito é voltado para o abandono predial, de forma a preservar a vida dos alunos e de todos que utilizam a unidade. “Prezamos pela segurança e pela vida das pessoas, pois acidentes acontecem e tentamos evitar ao máximo, mas se por ventura acontecer, todos nós estamos habilitados para combater os princípios de incêndio e zelar pela segurança dos nossos alunos” diz.

Segundo o 1º Tenente do Corpo de Bombeiros, Lucas Kusunoki, que participou da atividade, essa ação é muito importante, pois trabalha na educação e prevenção dos alunos como futuros cidadãos. “É claro que o bombeiro sempre estará à disposição para atender qualquer tipo de sinistro, só que quando a pessoa tem a consciência de sair de forma organizada, sem tumulto, sabendo que vai preservar a vida dela e dos outros, faz muita diferença”, considera o tenente.

Conscientização

Segundo a diretora escolar do Sesi, Olga Boscoli, de 47 anos, a escola trabalha todos os anos com a prevenção de acidentes, então, a importância maior é que os alunos levem o ensinamento para a vida. Na unidade, segundo a diretora, a atividade é realizada duas vezes ao ano, pois prepara também para situações fora da escola. “Assim o aluno pode ter noção de primeiros socorros em casa, quando acontecer algum incidente e também como proceder”, afirma.

Um grupo de alunos também atua como “guarda vida mirim” e auxilia no controle das situações. O estudante Pedro Henrique Moro Eugênio, de 17 anos, considera importante a atividade de evacuação, pois dessa forma podem ter uma base organizada do que fazer e como agir diante de uma situação a qual não estão esperando. “Desse modo, nós podemos ter uma base para poder nos organizar. Hoje eu auxiliei em direcionar a passagem das pessoas até um local seguro”.

A estudante Bianca Rodrigues Cardoso, de 16 anos, também atuou no direcionamento dos alunos durante a evacuação do prédio e considera de grande valha a atividade. “Esse exercício de abandono de prédio e importando porque se um dia realmente acontecer, todos nós estaremos preparados para situação. Hoje vemos que em grandes desastres e acidentes que acontecem é porque a pessoa não sabe o que fazer e como desespero acabam caindo, se machucando e não conseguem sair”, ressalta a estudante.