Servidores públicos acatam proposta do Executivo

Reposição salarial será conforme a inflação, de 2,95%; criação de plano de cargo, carreira e salários também será discutida

THIAGO MORELLO - Da Redação • 13/03/2018 11:38:15

. Foto: Itamar Batista/Sintrapp, Assembleia dos servidores foi realizada no fim da tarde de ontem, na sede do Sintrapp

Em uma assembleia realizada no fim da tarde de ontem, na sede do Sintrapp (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Presidente Prudente e Região), os servidores públicos municipais deliberaram por aceitar a proposta apresentada pelo poder Executivo a respeito da pauta de reivindicações. Com isso, eles concordaram em receber a reposição salarial de 2,94%, conforme a inflação, o contrário do cerca de 8%, valor por eles pleiteado. Além disso, será criada uma comissão entre ambas as partes para discutir o plano de cargo, carreira e salários.

De acordo com a presidente do sindicato, Luciana Telles, a categoria aceitou sim a proposta, entretanto, “com indignação e sob protesto”. Ela ressalta que estão aguardando o término do primeiro quadrimestre, para verificar a possibilidade de aumento no abono e de revogação do decreto municipal que suspendeu os dez dias de férias e 60 dias de licença prêmio. “Apesar de estar de encontro com a inflação, na prática, não é o que vemos no dia a dia, ao lidar com altas constantes, principalmente no preço dos combustíveis, como por exemplo”, completa.

À reportagem, Luciana também lembra que, apesar do descontentamento, o que fez uma “grande diferença para aceitação dos servidores foi a possibilidade de construir esse plano de carreira”, o que, ainda de acordo com ela, era pleiteado há tempos.

Segundo a administração municipal de Presidente Prudente, os cálculos do orçamento para gastos com pessoal são baseados nos quadrimestres. O primeiro de 2018 ainda não foi concluído, portanto, os números correspondem ao último de 2017. Sendo assim, em vista do limite Prudencial que é de 51,30%, o Executivo o ultrapassou, ao atingir hoje 51,83%. Ademais, está próximo de atingir o limite máximo recomendado, que é de 54%, conforme a Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

Retorno

Em Regente Feijó, onde os servidores municipais estavam em greve, a situação já se normalizou. Depois que o vice-presidente do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo), Artur Marques da Silva Filho, por meio de um despacho, determinou que 70% dos trabalhadores da administração permanecessem em atividade, sob pena de multa diária de R$ 5 mil, uma audiência de conciliação foi feita entre as partes.

Conforme o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, Valdemir Alves da Silva, mais que o solicitado, 100% dos funcionários voltaram ao trabalho. Ele conta que ficou acordado entre a categoria e a Prefeitura, que serão mantidos os 3% de aumento nos salários; bem como acréscimo de R$ 50 no ticket, indo de R$ 250 a R$ 300; além de não sofrerem punições ou descontos pelos dias parados. “Em novembro estaremos sentando novamente e fazendo análise da questão financeira, a fim de novas mudanças”.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste