Seade confirma mais R$ 10 bilhões de investimentos empresariais

  • 22/01/2020 05:06
  • Contexto Paulista

Os investimentos anunciados no terceiro trimestre de 2019 (julho a setembro) para o Estado de São Paulo somaram R$ 10,0 bilhões, segundo pesquisa elaborada pela Fundação Seade consolidada e divulgada ontem. Desse total, 49,3% estão relacionados à indústria, 41,3% à infraestrutura, 8,7% aos serviços e 0,7% ao comércio. Segundo a Seade, o ramo automotivo liderou os investimentos na indústria, obtendo seu melhor resultado para o terceiro trimestre na série histórica da pesquisa (R$ 3,4 bilhões). Já em infraestrutura, a maioria dos recursos concentrou-se no segmento de eletricidade e gás (R$ 3,7 bilhões). No período, 38,5% dos investimentos envolverem várias regiões do Estado.

Investimentos no interior
São estes os principais investimentos anunciados:

  • Nestlé – R$ 370 milhões (que se somam aos R$ 630 milhões divulgados no trimestre anterior) para modernização das fábricas de Araçatuba (nutrição infantil) e Caçapava (chocolates), com novas linhas de produção e processos de transformação digital.
  • Anúncio da Volkswagen – R$ 2,3 bilhões para desenvolver novo automóvel, o New Urban Coupé, na planta de São Bernardo do Campo.
  • R$ 1 bilhão da montadora Toyota, para expansão do parque fabril de Sorocaba e R$ 730 milhões do grupo Zanchetta Alimentos, para construção de complexo industrial avícola em Conchal.
  • Comgás – R$ 3,5 bilhões, entre 2019 e 2024, para expansão da rede de distribuição de gás natural no Estado de São Paulo em 5.500 km e melhorias na rede existente, além de serviços de tecnologia da informação.

Quarto no ranking mundial
O Brasil passou para quarto destino de investimentos no mundo em 2019, segundo a Agência Brasil. Com a ajuda do programa de privatização de empresas federais, o Brasil subiu da sexta para a quarta posição entre os principais destinos de investimentos estrangeiros no mundo em 2019, segundo relatório divulgado na segunda-feira pela Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad). O Brasil recebeu US$ 75 bilhões em investimentos externos no ano passado, contra US$ 60 bilhões em 2018.

Privatizações ajudaram
“O Brasil registrou aumento de 26% parcialmente impulsionado pelo programa de privatizações lançado em julho como parte dos esforços da administração para acelerar a economia. A primeira dessas privatizações envolveu uma companhia de distribuição de gás – Transportadora Associada de Gás – comprada por um consórcio de investidores liderado pela francesa Engie por quase US$ 8,7 bilhões”, destacou o levantamento.

Ritmo continua
Para este ano, o relatório diz que o país deverá continuar a receber investimentos externos por causa da continuidade do programa de privatizações. “Em 2020, os desinvestimentos em subsidiárias de companhias estatais deverão ganhar força; a privatização de grandes companhias como a Eletrobras, a maior empresa elétrica da América Latina, e da Telebras devem provavelmente atrair muito mais investimentos estrangeiros diretos”, acrescenta o documento.

Procter & Gamble
Selina Jackson, vice-presidente global da multinacional americana Procter & Gamble, anunciou investimento de R$ 100 milhões em sua fábrica, o que representará investimento em tecnologia e inovação no Estado de São Paulo. A informação foi divulgada pelo governo estadual, segundo o qual a parceria entre governo e a multinacional americana tornará São Paulo um grande centro de exportação de produtos inovadores e de valor agregado da empresa para a América do Sul. “Com o investimento, conseguimos formar uma mão de obra qualificada, trabalhando no produto de valor agregado, onde São Paulo passa a ser um centro de exportação para a região”, comentou Patricia Ellen.

Laranja bombando
As exportações de suco de laranja do Brasil avançaram 26,6% no primeiro semestre da temporada 2019/20 (julho a dezembro) em comparação anual, diante de uma das maiores safras dos últimos tempos, informou na segunda-feira a Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), segundo o portal Portos e Navios. Segundo a entidade, os embarques do produto (FCOJ Equivalente a 66º Brix) no período somaram 648.751 toneladas no período. O faturamento nos seis primeiros meses da safra foi de 1,104 bilhão de dólares, alta de 14% versus 2018/19.

Porto: de vento em popa
2020 será um ano de reconstrução econômica para a área portuária, segundo o jornal “A Tribuna”, de Santos. “Vemos 2020 como um ano de reconstrução econômica antes que o Brasil realmente comece a crescer novamente em 2021”, diz Gustavo Paschoa, diretor comercial da Maersk para a Costa Leste da América do Sul. Otimista, a Maersk, uma das maiores empresas de logística integrada do mundo, prevê que as importações e exportações cresçam 4% e 4,5%, respectivamente, neste ano.