COTIDIANO

Se há vontade, tudo dá certo

  • 31/07/2019 05:14
  • José Renato Nalini

Grande celeuma em torno à possibilidade de 20% da carga horária do ensino médio diurno admitir ensino à distância. O CNE (Conselho Nacional de Educação) aprovou a medida e indicou que a modalidade deve ser preferencialmente na parte flexível da reforma. Os adeptos à medida sustentam que a permissão facilita a oferta de diferentes percursos formativos. A ideia é tornar o ensino médio algo sedutor e não aquela chatice que não consegue conservar o aluno dentro da sala de aula. Por isso é que a parcela flexível do currículo abre espaço para acolher tudo o que a juventude aprecia. É justamente nessa faixa que o ensino à distância poderá funcionar.

O alunado já tem desenvoltura nas tecnologias contemporâneas e talvez esse apelo o faça mais interessado em disciplinas que hoje não existem ou são negligenciadas. Já os detratores apontam a perda de aprendizagem, já que a convivência é essencial ao desenvolvimento de habilidades e competências. Também se acena com a precarização, pois o EaD (Educação a Distância) poderá ser usado quando falta professor, notadamente na Física, onde há grande carência.

Acentuar-se-á a desigualdade, pois as escolas com pouca estrutura e falta de professores estarão formalmente a cumprir o calendário do ano letivo, mas o aprendizado será nulo. Tudo isso evidencia a absoluta falta de consenso em termos de política pública da educação no Brasil. Tema que os repetidos governos não levam a sério, porque se descuidam do essencial. Querem resultados imediatos, pretendem se assenhorear de todas as etapas e desconhecem que “educação”, aquela de berço, vem de casa. Se mães e pais – ou quem estiver no seu lugar – não mergulharem nesse projeto, a escola continuará insuficiente como instrumento de preparação para a vida.

Educação é dever de todos. O governo deve coordenar e oferecer os meios possíveis. Mas em lugar de tantas avaliações, tantos projetos dispendiosos, tanta impressão de material que vai parar no lixo, deveria acordar família e sociedade para uma verdadeira cruzada no sentido de fazer infância e juventude estudar de verdade. Quem tem vontade, dispõe de toda a facilidade de acesso à informação e ao conhecimento. Como fazer o educando ter vontade?

ÚLTIMAS DO AUTOR

O Brasil precisa de heróis

  • 14/09/2019 02:02

Acordai, cidadania!

  • 11/09/2019 03:27