Restauração de vagão é ampliada e previsão é concluir em 30 dias

Secretário de Cultura, Fábio Nougueira diz que

OSLAINE SILVA - Da Redação • 09/06/2018 10:34:44

Sem comprometer o design, melhorias estão sendo feitas em toda a parte interna do vagão prudentino. Foto: Marcio Oliveira

Uma pequena antessala com lavabo, sistema de iluminação e ar-condicionado, uma escada na parte externa (eliminando os degraus existentes), um elevador para cadeirantes, aplicação química contra cupins, mofo e incêndio em todas as madeiras internas e paisagismo na parte externa. Estas são algumas de várias alterações de ampliação no projeto do governo municipal, por meio da Secult (Secretaria Municipal de Cultura) de restauração do vagão de passageiros que por anos e anos, após a interrupção de circulação pelos trilhos da linha férrea da antiga Estrada de Ferro Sorocabana, estava abandonado, sendo corroído pela ferrugem. Obras devem ser concluídas em 30 dias, conforme o secretário municipal de Cultura, José Fábio Sousa Nougueira, que diz que a revitalização desse vagão é uma ação não só de preservação histórica, mas pela importância desse sistema de transporte em nossa região e todo o Brasil.

“Ele se tornará em mais um agradável espaço a ser utilizado pela comunidade, principalmente nos eventos que ocorrem no complexo [IBC]. Temos certeza que será mais um orgulho para nossa cidade. Esta semana ouvi algumas pessoas que visitaram o vagão, comentarem enquanto observavam o que estamos fazendo, que será uma ótima opção para, inclusive, eternizar momentos importantes em fotografias como de casamentos, por exemplo. Ou seja, além de muito bonito nosso novo e velho vagão será útil para diferentes finalidades”, expõe o secretário.

 

Trilhos valiosos

Recentemente, em mais de uma semana, todo o país sentiu os impactos da greve dos caminhoneiros, -profissionais responsáveis pelo transporte rodoviário, considerada a principal alternativa desde que o transporte ferroviário foi desativado. Desabastecimento de combustível nos postos, estoque baixíssimo ou a falta de produtos em supermercados, hospitais, consequentemente aumento do preço de diversos produtos. Ou seja, todos os setores foram comprometidos, sentiram os reflexos.

Ah os trens! Cabe a pergunta: Se eles tivessem ativos, deslizando pelos trilhos atravessando propriedades como outrora não teriam amenizado as dificuldades enfrentadas pela população durante a manifestação dos caminhoneiros?

Ao invés disso o que se vê são ferrovias brasileiras tomadas por matagal e vagões se deteriorando abandonados sendo tomados pela ferrugem.  A restauração deste vagão que se encontra desde 2016 no IBC coloca em prática a preservação histórica do que este meio de transporte representou para o município e toda a região lá no passado!

 

“A restauração deste vagão que se encontra desde 2016 no IBC coloca em prática a preservação histórica do que este meio de transporte representou para o município e toda a região lá no passado!”

 

Passo a passo

Em publicação veiculada neste impresso em abril, o secretário explicou que antes de começarem o processo de preservação histórica, algumas fases foram definidas. Inicialmente, por três anos a equipe da Secretaria de Cultura esteve em negociação com o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), até conseguir a posse/doação do vagão.

Na sequência, foram em busca de transporte para o mesmo, que não era nada barato. Conseguiram. Entraram então na fase de recuperação com o cuidado de não comprometer o design original do vagão. O passo seguinte, qual ainda está em execução por conta de alterações de melhorias no projeto, trabalhos na parte estrutural. E depois acabamentos, como mobília, entre outros detalhes.

 

Ele já carregou muitos passageiros, logo estará transportando conhecimento e cultura. Foto: Arquivo

 

Há dois anos

O vagão de passageiros ganhou um novo direcionamento quando foi concedido ao município pelo Dnit, em janeiro de 2016. Em maio foi transferido ao Centro de Eventos IBC, antigo Instituto Brasileiro do Café, com o auxílio de um guindaste e de uma carreta. O vagão, que ficou abandonado por longos e incontáveis anos, terá em breve uma nova história, certamente mais feliz, diferente das que foi palco sob os velhos e enferrujados trilhos da linha férrea, onde era refúgio, abrigo de moradores de rua, usuários de drogas, ponto de prostituição...

Vale retomar a frase do secretário lá atrás: “O que já foi sinônimo de luxo e riqueza foi desprezado e depredado. Mas, agora, irá novamente gerar e transportar riquezas, no sentido de trazer conhecimento e cultura à região, além de saudades e recordações”.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste