Carnaval 2018

Quatro agremiações de PP saem em único grupo: na Liga das Escolas de Samba

Tradicional evento está planejado para ocorrer de 9 a 12 de fevereiro na Avenida João Gomes em frente ao Balneário Municipal da Amizade; desfile será no dia 11

OSLAINE SILVA - Da Redação • 28/01/2018 12:19:19

. Foto: Marcio Oliveira, Bel e Amendoim ressaltam amor ao carnaval e dizem que querem trabalhar pela festa prudentina

Uma das festas mais aguardadas pelos brasileiros, o carnaval, vem por aí. Em Presidente Prudente, o tradicional evento está planejado para ocorrer de 9 a 12 de fevereiro na Avenida João Gomes em frente ao Balneário Municipal da Amizade, zona oeste da cidade, com organização da Setur (Secretaria Municipal de Turismo) e Aespp (Associação das Escolas de Samba de Presidente Prudente). Neste ano o público verá passar na avenida, no dia 11, quatro G.R.C (Grêmio Recreativo Cultural): Independentes da Zona Leste, Renascer da Operária, a convidada Unidos de Vila Alegrete, de Martinópolis e, uma novidade: em um único grupo, como Liga Independente das Escolas de Samba, a Real Grandeza, Unidos de Quem Vier, Acadêmicos do Sereno e Se Sair é Milagre.

Nesta semana dois representantes da Liga, a presidente Maria Izabel da Silva e um dos diretores sociais Francisco Roberto dos Anjos, conhecido como Amendoim, estiveram na redação deste impresso para expor o trabalho que estão fazendo.

Bel explica que a Liga foi fundada em outubro de 2017, feita estatutariamente uma entidade com CNPJ reconhecido, com a proposta de inovação para o carnaval do município. Segundo ela, descontentes pela política de trabalho que a Aespp vinha desenvolvendo, as quatro escolas resolveram se desligar da mesma.

Após várias reuniões montaram um estatuto para futuramente poderem fazer um carnaval diferenciado, mais dinâmico, onde não se dependa tanto de verba pública. “Não que nunca precisaremos de uma ajuda ou outra, mas nosso desejo é desenvolver um trabalho em que as escolas possam caminhar com suas próprias pernas, através de eventos, promoções”, expõe a presidente.

Bel complementa dizendo que nesse ano, como foi muito em cima da hora fizeram apenas um jantar para apresentação da Liga, porque os diretores são pessoas que não estão ligadas diretamente às escolas de samba e sim amantes do carnaval que fizeram parte dessa festa bonita no passado.

“Nossa ideia é que o carnaval prudentino seja novamente regionalizado, porque quando fazemos algo bonito abrimos outras fronteiras que fomentam o comércio, hotelaria, ou seja, todo mundo ganha. Estamos buscando pessoas, empresários, para firmarmos parcerias para poder trabalhar. O que queremos, a Liga, nesse momento é ganhar credibilidade. Que volte a ser como era lá atrás”, destaca Bel.

 

Em busca de profissionalismo

Amendoim lembra que no Cinquentenário de O Imparcial, por exemplo, quando homenagearam este impresso, 40 mil pessoas foram para a avenida para assistir as apresentações das escolas. Ele comenta que o apoio será a maior dificuldade da Liga, neste começo. Mas, que felizmente estão com praticamente tudo em cima da mesa, com a Liga sendo uma realidade, o que pode ser conferido nos documentos. Agora a questão é trabalhar.

“Chega de amadorismo, vamos buscar resquícios para as escolas e não para nós. A Bel tem em mente fazer com que as pessoas falem a mesma língua. Não queremos ficar divididos”, acentua o diretor.

Prudente tem condições de fazer um carnaval bonito. Algumas regras são criadas, como por exemplo, passar pelos trâmites tem que vir com o bloco, ficar por algum tempo sem receber verba, e o município já deixou claro que não terá nenhuma verba. Eles darão toda infraestrutura, como já vem fazendo, tentando promover um carnaval diferenciado.

“Temos que buscar um projeto em que tenhamos condições de trabalho, que todos possam trabalhar juntos. Cada um com sua participação. Que, por exemplo, seja cobrado um valor simbólico no dia do desfile e que o montante seja depositado em uma conta. Assim, no ano seguinte terá uma renda para as escolas começarem o carnaval. Nada de mão beijada, e sim o justo para cada um”, coloca Amendoim.

 

Na avenida

Amendoim e Bel dizem que juntaram o que cada escola tinha de material e refizeram para este ano. Os trabalhos também foram divididos entre as escolas, mas a entidade ainda está em busca de serviços de alguns profissionais como de costureira, serralheiro, entre outros.

“A Liga Independente das Escolas de Samba deve descer a avenida, no dia 11, compacta, com mais ou menos 150 passistas, dois ou três carros alegóricos. Não será o que gostaríamos, mas tudo foi feito com simplicidade e muita criatividade”, reconhece Amendoim.

Ambos expõem que para que não ficassem presos a fantasias, como tema reportarão o passado, a época das charangas, dos blocos carnavalescos, etc., por isso estão convidando quem quiser desfilar que se junte a eles.

“Queremos acentuar que se alguém quiser se inteirar do estatuto da Liga, podem nos procurar que toda a documentação estará disponível”, enfatiza Bel.

 

“Tá” no sangue

Bel fala sobre sua história no e com o carnaval de Prudente que vem lá de traz quando era apenas uma menina. Diz que foi rainha por dois anos, a porta-bandeira mais antiga da cidade e também a mais premiada. Foi uma das fundadoras da Unidos, depois com o grupo fundou a União da Vila. “Eu estava distante desta festa que eu sempre amei e por isso abracei esse desafio. Se uns ajudarem os outros, todos têm a ganhar. Com a nossa proposta só vai permanecer quem quer fazer diferença, arregaçar as mangas e ir à luta. Essa foi a política que me propus e coloquei a eles. Não somos funcionários das escolas, somos uma entidade que vai caminhar com elas, buscar ideias e desenvolvê-las”, enfatiza Bel.

 

Aespp

Fernando Testa, membro da diretoria da associação comenta que essa migração foi uma escolha dos representantes das próprias escolas, que serão administradas pela Liga, que não tem nenhum vínculo com o carnaval prudentino, o qual é totalmente organizado pela associação e pela pasta municipal de Turismo.

Segundo ele, a associação vem trabalhando nesses dois últimos anos não apenas pelo carnaval na avenida, mas por um evento mais organizado, mais popular para que o público possa interagir mais. Por isso tem tentado criar e aumentar a comunidade de samba na cidade.

“Nos surpreendemos com a quantidade de público no ano passado, com a organização. Não podemos esquecer que, inclusive transporte foi disponibilizado para a comunidade. Não era de graça, mas quem queria se divertir até mais tarde teve essa oportunidade. Então, a associação tem trabalhado arduamente não apenas para o dia do desfile, mas pensado em vários fatores que envolvem a festa”, expõe.

Testa acrescenta que durante o ano passado realizaram alguns eventos em que as baterias pudessem tocar, fizeram almoços, rifas, vendas de pizzas, não apenas para arrecadar dinheiro, mas para construir comunidade.

Ele garante que a associação, juntamente com seu presidente José Ferreira Pimenta e toda sua diretoria continuará em 2018 com eventos, trocas de ideia com escolas de São Paulo para que o carnaval do ano que vem tenha ainda mais nível.

“Pretendemos levar para a avenida tudo que há de melhor no carnaval, tanto em alegorias, fantasias, carros alegóricos, enredo, enfim, tudo que possa somar para esta festa prudentina. Lembrando que quem quiser se inteirar mais sobre o assunto curta nossa página no facebook, Associação das Escolas de Samba de Presidente Prudente”, convida Fernando Testa.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste