Quaresma é tempo de reflexão, de oração, mortificação e caridade

  • 06/03/2019 08:33

Conversão e Oração: Conforme os cristãos católicos, hoje inicia o período quaresmal, marcado pela missa da Quarta-feira de Cinzas. Nesta época, segundo a tradição religiosa, os católicos são chamados a exercitarem uma reflexão profunda sobre o que significou tanto os 40 dias em que liberto do Egito o povo Hebreu peregrinou até a terra prometida. Sobre os 40 dias em que Jesus Cristo, o filho de Deus, esteve no deserto em um momento de oração e intimidade com Seu Pai. Este é o período litúrgico em que os católicos e algumas outras comunidades como a Ortodoxa, a Anglicana e a Luterana se dedicam à penitência em preparação para a Páscoa.

O mais importante deste período não é abster-se de comer a carne, ou de jejuar, mas entrar de fato em um processo de intimidade com nosso Deus Pai, e refletir de coração aberto sobre toda e qualquer fragilidade que temos em nosso íntimo mais profundo. Entendamos que o jejum é um aprendizado a renuncia de certas coisas. Ao desapego, desprendimento. Que tal nos Perguntarmos em que estamos errando e nos esforçarmos a melhorar? E como orienta o padre Rodrigo Gomes de Moreno, que reflitamos, sobretudo, neste momento, sobre nossas misérias, ou seja, tudo aquilo que nos distancia do Senhor, que faz mal ao nosso próprio coração: atitudes falhas, julgamentos, egoísmo, vaidade, inveja, soberba, maldade.

Lembremo-nos das três práticas quaresmais: oração, mortificação e caridade. A oração é uma condição indispensável para nosso encontro com Deus nosso pai. A mortificação ocorre cotidianamente e sem que façamos grandes sacrifícios. Com ela, oferecemos a Jesus momentos de desânimo no decorrer do dia e aceitamos com humildade, gozo e alegria, todas as diversidades que chegam. A caridade é um “bem” necessário ao outro e uma “virtude” riquíssima nossa!

Neste momento também inicia a Campanha da Fraternidade 2019 com o tema “Fraternidade e Políticas Públicas”. Fica a pergunta. Por que é importante refletir sobre tal assunto? Você sabe de que maneira elas atingem a vida cotidiana, o que pode ser feito para melhor formatá-las e quais as possibilidades de se aprimorar sua fiscalização?