CONSUMO DE PEIXE

Quaresma aumenta movimentação em pesqueiros

No Zóio D’Água, em Prudente, fluxo de visitantes deve registrar alta de 50% em relação a outras épocas do ano

06/03/2019 07:26 • ANDRÉ ESTEVES - Da Redação
José Reis - Pesqueiro é opção de lazer para quem busca silêncio e tranquilidade nesta época José Reis - Pesqueiro é opção de lazer para quem busca silêncio e tranquilidade nesta época

Com a chegada da quaresma, que tem início hoje, o movimento em estabelecimentos de pesca começa a crescer em Presidente Prudente e região. Além de oferecerem refeições apropriadas para quem mantêm a tradição de suspender a carne vermelha durante o período, estes locais também são visados por quem deseja pescar o próprio alimento. No Pesqueiro Zóio D’Água, localizado na Avenida Assis Chateaubriand (SP-425), o fluxo de visitantes deve registrar alta de 50% em relação a outras épocas do ano. Ontem, a procura constatada no local já estava aquecida por conta do feriado prolongado. Tanto no restaurante quanto no espaço destinado para a pesca, o peixe mais buscado é a tilápia, que, de acordo com o proprietário Luís Carlos Domingues, “se torna o favorito devido ao preço acessível, sabor e o fato de não apresentar espinhos”.

O administrador aponta que o estabelecimento oferece duas alternativas de pesca, sendo a esportiva e o pesque-pague. Nesse último caso, o peixe é limpo por um funcionário da casa e devidamente embalado para que o cliente leve para casa. “Vamos manter os preços de nossos serviços, que terão maior procura por conta do tempo quaresmal. Embora a maioria dos jovens não seja adepta do consumo de peixe neste período, a tradição ainda é sagrada entre os mais velhos”, relata.

Ao lado do filho de oito anos, Marcelo Ximenes, 46 anos, esteve no pesqueiro ontem para aproveitar o dia de descanso. Como costuma trocar a carne vermelha pelo peixe no decorrer da quaresma, pretendia comprar os pescados para iniciar o preparo em casa. “Minha família não é habituada a pular o Carnaval, então, procuramos um recinto mais sossegado. Aqui é propício, porque meu pequeno também gosta de pescar”, comenta.

A arquiteta Karen Fernanda Barcelo, 26 anos, também levou a filha de dois anos para curtir a tranquilidade e o silêncio do pesqueiro. “Não visitamos com frequência, mas é um programa interessante para fazer com a família”, avalia a profissional, que não tem o hábito de comer peixe na quaresma. “No entanto, damos um jeitinho de incluir algum pescado no cardápio ao longo desses dias”, pontua.