COTIDIANO

Qual é a sua geração?

  • 08/08/2019 04:16
  • Ana Paula Domeneghetti Parizoto Fabrin

Experiências coletivas. Isso é o que define uma geração, de acordo com o sociólogo Karl Mannheim (1893-1947). Num mundo em que as experiências coletivas estão tão diferentes e mudando constantemente de forma abrupta, não é de se estranhar que estamos convivendo com várias gerações simultaneamente. Mais precisamente, são 5 gerações, se considerarmos um período de 80 anos. Assim, temos os Baby Boomers, nascidos entre 1940 e 1960; a Geração X, nascida entre 1960 e 1980; Geração Y (Millenials), de 1980 aos anos 2000; Geração Z (Centennials), entre 2000 e 2010; e a geração Alpha, nascidos após 2010, com uma inteligência capaz de configurar aparelhos digitais antes de se alfabetizar.

Esses anos são aproximados, pois há controvérsias sobre quando uma geração começa e outra termina, justamente por também partilharem das mesmas experiências coletivas. A maior parte dos jovens, entre 15 e 30 anos de idade, está distribuída nas Gerações Y e Z, que compartilham características diferentes e outras semelhantes. Uma das diferenças é quanto ao uso da internet, onde a Geração Y precisou aprender a usá-la e a Geração Z já nasceu digital.

Nas semelhanças, tanto a Y quanto a Z demonstram aumento do individualismo, menor tolerância às frustrações, certa imaturidade emocional, superficialidade nas relações interpessoais e busca de prazer na vida pessoal e profissional. Essas características não são necessariamente negativas, pois se para a Geração X a superficialidade era um sinal de adoecimento, para as Gerações Y e Z é uma necessidade de adaptação.

Como hoje a enxurrada de informações é alta e muda rapidamente, as Gerações Y e Z precisam selecioná-las, sem tempo para mergulhar em reflexões profundas sobre cada fato lido ou vivenciado. Assim, eles preferem se relacionar com as pessoas de igual para igual, não entendem a hierarquia vertical, moldada por cargos, chefias, obediência a regras rígidas e engessadas. Por isso, não gostam de se fixar no trabalho, nem em moradias, ou relacionamentos, mas gostam muito de compartilhar, palavra-chave do momento.

Vemos esse compartilhamento no transporte, com serviços de carona, na moradia, com casas de 14 m² com a “a parte social” compartilhada, no turismo, com serviços de casas compartilhadas, no trabalho com o coworking, algo nunca existente em outra época. Disso tudo surge uma reflexão: se tudo está caminhando para o compartilhamento e mobilidade, como fica a educação formal?

As escolas ainda apresentam seus currículos engessados, com carteiras enfileiradas, onde um professor, na sua hierarquia vertical ainda acha que detém o conhecimento além daquele que estuda. A escola precisará flexibilizar seus processos, pois não funciona a mistura dessas gerações com uma escola cujo modelo é de 200 anos atrás. A questão não é mais como fazer um aluno se comprometer, mas sim como fazer um aluno se interessar, uma vez que um mundo de possibilidades está disponível em suas mãos todos os dias.

ÚLTIMAS DO AUTOR

Conectados, mas sozinhos

  • 04/04/2019 05:24
Ana Paula Domeneghetti Parizoto Fabrin

Ana Paula Domeneghetti Parizoto Fabrin

Ana Paula Domeneghetti Parizoto Fabrin é mestre em Ciências, professora e psicóloga do SUAPp (Serviço Universitário de Apoio Psicopedagógico) da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista).

PUBLICIDADE