José Reis: Psicóloga esclarece importância da presença da mãe na educação e evolução da criança

Foto: José Reis: Psicóloga esclarece importância da presença da mãe na educação e evolução da criança

​​​​​​​“MÃE CORUJA”

Psicóloga esclarece vínculo de afeto entre mãe e filho

Letícia Crelis explica que na gestação a criança, mesmo sem entender, sente as emoções da mãe, sejam essas boas ou ruins e isso repercute em seu desenvolvimento

  • 09/05/2019 10:00
  • WEVERSON NASCIMENTO - Da Redação

Cora Coralina já dizia: “Mãe é renovadora e reveladora do mundo. A humanidade se renova no teu ventre”. Assim, podemos compreender que a relação mãe e filho une laços desde a gestação, por ser o primeiro vínculo estabelecido pela criança, afinal, é ela que serve de base e muitas vezes, acaba determinando a maneira como lidar com as pessoas e com o mundo. E assim, antes mesmo da noção de sua própria existência, uma mãe já zela pelo seu pequeno, cada uma da sua forma e jeito amar. Nesta semana especial que celebra o dia das mães, abordaremos a importância da presença delas na educação e evolução das crianças.

De acordo com a psicóloga com especialidade em atendimento infantil da Clínica Recriare, Letícia Crelis, muito antes de nascer, no ambiente intrauterino, tem início a formação do vínculo entre a futura mãe e seu bebê. De acordo com ela, trata-se de uma comunicação complexa e ao mesmo tempo sutil, que propicia uma troca íntima e profunda. “Esta ação tem importância vital para o feto, que precisa se sentir desejado e amado para propiciar a este, um desenvolvimento saudável. A criança, mesmo sem entender, sente as emoções da mãe, sejam essas boas ou ruins e isso repercute em seu desenvolvimento”.

A formação do vínculo não é algo que ocorre de imediato ao se saber que será mãe, explica a psicóloga. “Pelo contrário, é gradativa e, portanto, necessita de tempo, compreensão, paciência e amor para existir, além disso, o vinculo materno é o compensador”, diz.

Mãe coruja

Quanto à importância da presença da mãe na educação e evolução da criança, a psicóloga explica que a presença dela ou de alguém que exerça a função materna é essencial na vida da criança, não apenas na educação que é recebida em casa, mas do papel que esta exerce durante todo o desenvolvimento do indivíduo e nas situações que ele vivencia. Segundo a profissional, quando falamos de mãe, logo nos vem à mente a palavra “amor”, isso porque é a partir desse sentimento de afeto e cuidado que uma mãe consegue educar seu filho. “O amor da criança, a segurança de ser ela mesma, de se desenvolver, de acreditar em si, de lutar pelo que quer”, destaca.

Porém, falar de educação também consiste em disciplina e limites. “Chamar  a atenção dos filhos e ensiná-los, também faz parte de amar,” diz a psicóloga. Segundo ela, quando as crianças percebem que quando a mãe exerce a disciplina sobre eles, significa que ela os ama, que se preocupa e essa atitude traz benefícios para ambos.

Uma boa mãe é aquela que com o tempo vai tornando-se “desnecessária”, pois ensinou o filho a caminhar sozinho, afinal, toda mulher ao tornar-se mãe passa a cuidar não só de si, mas da vida de outro ser. De acordo com a psicóloga, isso acontece porque a criança ao nascer é totalmente dependente dela então é normal que ela, ande, fale e até tenha atitudes pela criança, porém quando o filho começa a ter autonomia de fazer por si a mãe deve saber quando sair de cena ou criará uma relação de dependência para ambos que não é saudável e pode atrasar o desenvolvimento da criança.

Vínculo

Segundo Letícia Crelis, a relação mãe e filho é uma das mais importantes que existem, pois é o primeiro vínculo estabelecido pela criança. “Servirá de base para todo futuro relacionamento, determinando a maneira como vamos lidar com as pessoas e conosco, a maneira como estabelecemos essa relação influencia diretamente a pessoa que seremos na vida adulta, por isso construir uma boa relação nesse vinculo, tem inúmeros impactos positivos ao longo da trajetória”, diz. E acrescenta: “O olhar e a atenção da mãe são de extrema importância para o desenvolvimento psicológico da criança. A mãe é quem oferece o cuidado, o afeto, o carinho, a atenção e isso gera o aconchego”, frisa. Logo, com uma mãe cuidadosa o adulto torna-se mais cuidadoso, pois aprende a cuidar de si, da sua saúde física e mental. “Se olham, pois foram olhados, se valorizam, pois foram valorizados, e fundamentalmente  conseguem amar, pois foram amados”.