José Reis - Crianças compõem o grupo menos vacinado na campanha em andamento nos postos

Foto: José Reis - Crianças compõem o grupo menos vacinado na campanha em andamento nos postos

COMPLICAÇÕES

Prudente tem 10 pessoas internadas por síndrome respiratória aguda grave

Levantamento da Vigilância revela que, entre os internados, há pessoas dentro dos grupos de cobertura vacinal contra influenza, que poderiam ter sido imunizadas

  • 25/05/2019 04:00
  • OSLAINE SILVA - Da Redação

O último balanço divulgado pela VEM (Vigilância Epidemiológica Municipal), com data de anteontem, revela dados preocupantes em Presidente Prudente já que a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza encerra dia 31 e tem cobertura vacinal na cidade considerada “baixíssima” pela supervisora do órgão, Elaine Bertacco. Segundo ela, até o momento 71,36% do grupo prioritário foi imunizado, o que equivale a 49.432 doses aplicadas. O mínimo exigido pelo Ministério da Saúde é de 90% do público-alvo. A cidade contabiliza 10 pessoas internadas em diversos hospitais com suspeita de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave), causadas pelo vírus Influenza.

Uma avaliação feita por ela em diversos hospitais do município, públicos e particulares, revelou que das 10 pessoas internadas com a síndrome, três são mulheres com idade de 14, 19 e 50 anos; uma criança de 2 anos; e os outros são homens com 26, 51, 54, 61, 62 e 83 anos. “Entre estes pacientes, há pessoas dentro dos grupos prioritários que, se imunizadas, poderiam não estar nesta situação”, lembra Elaine.

As complicações da SRAG podem fazer vítimas fatais e a vacinação é uma das medidas preventivas. Os sintomas são inicialmente parecidos com da gripe e evoluem com complicações semelhantes às da pneumonia, com casos de insuficiência respiratória grave. O diagnóstico deve ser feito por um médico e o tratamento hospitalizado.

O grupo com menor cobertura são as crianças com menos de 6 anos, com taxa de 60,19%. Elaine ressalta que os pequenos precisam de um adulto que os levem aos postos. “Logo se percebe a falta de conscientização dos responsáveis legais por estes pequenos, pois as unidades estão abertas à disposição da população”, reforça. Algumas unidades de saúde, inclusive, ficaram disponíveis durante a noite em uma semana de campanha voltada aos homens, além do Dia D, em um sábado.

 “O Ministério da Saúde começou a campanha justamente pelas gestantes e crianças, pelo fato de ter sido o público que apresentou baixa no ano passado. Então, não sabemos mais o que fazer para que estas pessoas procurem os postos. O frio está chegando e esta vacina é ministrada antecipadamente justamente para que o corpo ganhe imunidade e não adoeça nos períodos de temperaturas mais baixas”, acentua Elaine.

A supervisora diz que não pode dizer se haverá prorrogação da campanha, uma vez que não chegou nenhum comunicado do Ministério da Saúde. “O município faz sua parte com as unidades de prontidão para vacinar toda a população. Houve uma mobilização conjunta entre a Vigilância e a Seduc [Secretaria Municipal de Educação], que reforçou o comunicado da campanha nas escolas e creches para conscientizar as crianças e, consequentemente, os pais. Ainda temos a semana que vem para que as pessoas nos procurem para serem imunizadas”, informa Elaine Bertacco.

Balanço

Crianças: 60,19% (8.603 doses)

Puérperas: 80,51% (285 doses)

Gestantes: 64,94% (1.400 doses)

Idosos: 78,48% (22.422 doses)

Trabalhadores da saúde: 88,22% (7.888 doses)