Proximidade com a Copa fomenta venda de artigos

Em pelo menos dois pontos de PP, vendedores oferecem camisetas, bandeiras, chapéus, cornetas, perucas e acessórios

JULHIA MARQUETI • 06/06/2018 21:07:38

Produtos podem ser encontrados na Avenida Salim Farah Maluf e no Parque do Povo. Foto: Marcio Oliveira

Restando exatos sete dias para o início da Copa do Mundo da Fifa 2018, que será disputada na Rússia, os vendedores ambulantes de Presidente Prudente estão preparados para receber os torcedores da seleção brasileira. Eles oferecem uma variedade de produtos alusivos ao time, como camisetas de vários modelos, bandeiras, chapéus, cornetas, perucas, e muitos outros acessórios para se vestir de verde e amarelo e torcer pelo Brasil. A variedade é tanta que é possível encontrar até roupa de bebê nas cores do país.

Pode-se dizer que os vendedores ainda não tomaram conta da cidade, mas faz tempo que têm local marcado e datas para iniciarem as vendas. De quatro em quatro anos é a cor verde a amarela que toma conta das ruas, mas durante todos os anos, cores dos principais times do Brasil também marcam presença. No mesmo ponto de venda há mais de dez anos, Ednaldo Apresto explica o motivo de escolher a Avenida Salim Farah Maluf. “Sempre trabalhei aqui, já que é um lugar que não atrapalha o trânsito, não atrapalha nada. Cheguei aqui e este supermercado ainda nem existia”, relembra, se referindo ao Walmart.

Com os anos passados, Ednaldo vai para a sua segunda Copa do Mundo. Por isso, ele diz que conhece bem o seu público e consegue comparar todas as edições em termos de vendas. “Este ano está devagar ainda [as vendas]. Acredito que, com o passar dos dias deve melhorar, nas vésperas e com o decorrer da competição”, destaca. Para ele, outro fator que deve estar influenciando o baixo volume de vendas é a atual situação econômica do país. “Ninguém tem dinheiro fácil pra comprar assim. As oficiais são muito caras. Se não estão comprando aqui, imaginem em outros lugares”, afirma.

E a redução nas vendas de produtos esportivos nesta edição do evento é concordado por outro vendedor da cidade. Elessandre da Silva está há seis anos na travessa entre a Rua José Bongiovani e a Avenida 11 de Maio, no Parque do Povo. Ele também conta que neste ano as vendas caíram. “Época difícil por conta da economia do Brasil, por isso caiu bastante a procura e as vendas”, explica.

Ambos os vendedores são de Prudente, compartilham anos de experiência, e a semelhança não para por aí. Aparece nos produtos vendidos, que são camisas, cornetas, chapéus e bandeiras. Além dos preços, que vão de R$ 30 a R$ 50. Para eles, a expectativa supera o medo de que as vendas não saiam de acordo com o esperado. “Estou aqui porque preciso, a gente desempregado tem que dar os pulos. Fazemos um investimento, também, então torcemos para dar certo”, afirma Ednaldo. “Se vender está bom, a gente pede pra Deus abençoar e vender”, completa Elessandre.

Sobre o evento

A Copa começa no próximo dia 14 e a seleção brasileira estreia no dia 17 deste mês. Sobre a campanha do time comandado por Tite, os vendedores compartilham de ideias distintas. Para Elessandre, o Brasil têm chances claras de conseguir o título. “Temos o Tite agora, ele é um técnico bom, dependemos todos dele e confiamos também”, comenta. Já para Ednaldo o verde e o amarelo chega apenas até as oitavas de final. “Não sei, ainda desconfio um pouco. Não tenho o que falar do elenco, mas pode acontecer de algum time chegar e vencer”, opina. Ainda assim, sobre o elenco Ednaldo considera que “o conjunto deve funcionar bem, não pode querer só que um jogue”. Já Elessandre aposta em um nome ao lado de Neymar para se destacar no Mundial. “Tem o novinho, nosso nove, o Gabriel Jesus. Ele tem facilidade em se adaptar, isso pode ser um lado bom”, completa.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste