Protagonismo em novos tempos

  • 15/03/2020 06:05
  • Mauro Bragato

“São Paulo é a locomotiva do Brasil; o coração do país”. Mais do que um chavão desgastado a menção ao Estado responsável por um terço do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro é uma grande verdade. Com uma economia comparada às de grandes países do mundo e com uma população maior do que a Argentina, São Paulo é um estado dinâmico por sua capacidade econômica e versatilidade social.

Porém, não está livre de intempéries mundiais, como a recente desaceleração econômica global, com baixas da Bolsa de Valores e de investimentos. O fato é que o mundo todo está realmente em um momento crítico. O surto do coronavírus afetou cadeias globais de suprimentos, abalou bolsas de valores, suspendeu produção, paralisou atividades e elevou preocupações sobre desaceleração da economia na China e no mundo. 

Como descendente de europeus e parlamentar me preocupo muito com essa crise internacional. Mas vejo coisas boas acontecendo nesse turbulento momento. Como a iniciativa da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, que criou mais uma ferramenta para colocar São Paulo na vanguarda da política global: a Comissão de Relações Internacionais, da qual serei membro efetivo e um grande batalhador, anunciada pelo presidente da Casa, Cauê Macris. 

Essa comissão vai promover a discussão sobre propostas e projetos de leis relacionados às atividades econômicas internacionais, realizar intercâmbio de ideias com outros países, estabelecer relações para o fortalecimento e o desenvolvimento econômico do Estado, conforme previsto na Resolução nº 921, de 12 de fevereiro de 2020.

São Paulo sempre mostrou sua capacidade de ser protagonista na articulação política, no diálogo com países e no estabelecimento de novas diretrizes para o desenvolvimento econômico do Brasil. E, neste momento, a Assembleia vai ao encontro da diretriz do governo João Doria, que abriu recentemente escritórios paulistas de representação em Xangai, na China, e em Dubai, nos Emirados Árabes.

Por outro lado, entre diversos assuntos mundiais candentes e latentes, a mitigação de riscos ambientais é boa para empresas e para o Brasil. Como parlamentar, defendo propostas que sigam as tendências internacionais de sustentabilidade e austeridade econômica, como o meu projeto de lei que proíbe a produção de materiais plásticos descartáveis após o primeiro uso, no Estado de São Paulo.

Tudo isso está inserido nesse protagonismo que São Paulo deve ter na discussão, na busca de acordos e nos projetos desenvolvimentistas que passam por crescimento econômico e sustentabilidade.

 

 

ÚLTIMAS DO AUTOR

Mauro Bragato

Mauro Bragato

Mauro Bragato é sociólogo e deputado estadual. Este texto faz parte de uma série de artigos referentes às comemorações dos 60 anos da FCT-Unesp

PUBLICIDADE