Saúde visual Projeto presta 20,2 mil atendimentos em PP

 06/12/2017  - Da Redação

A A A

O projeto Saúde Visual do Escolar encerra seu oitavo ano de atividade e contabiliza 20.276 atendimentos em Presidente Prudente. De 2010 até hoje mais de 5 mil crianças passaram por exames clínicos, com cerca de 1,4 mil precisando usar óculos ou receberam ou ainda estão recebendo algum tipo de tratamento médico. A iniciativa do Lions Clube Centenário tem a parceria da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista), mediante a aplicação dos testes de acuidade visual por estudantes do curso da Famepp (Faculdade de Medicina de Presidente Prudente), orientados e acompanhados por professores.

O atendimento é prestado para alunos do 6º ano do ensino fundamental. A escolha do referido ano escolar pelo projeto está atrelada ao ingresso no segundo ciclo do ensino fundamental, com o objetivo de atender o mesmo aluno pela segunda vez, já que no 1º ano obteve o serviço prestado na rede municipal de ensino, pela Secretaria Municipal de Saúde.

Somente em 2017, foram atendidos nas escolas 2.616 alunos, sendo 359 encaminhados para consultas, dos quais 179 precisam usar óculos, nove foram encaminhados para exames de topografia, seis exames de paquimetria, dois de retinografia e um teste ortóptico. Três alunos com estrabismo foram encaminhados ao serviço público municipal de saúde, para serem conduzidos ao AME (Ambulatório Médico de Especialidades).

Considerando o número total de atendidos neste ano, em relação aos que passaram a usar óculos, o percentual é de 6,8%; sendo que no primeiro ano do projeto (2010) esse índice era superior a 30% e foi caindo gradativamente. Ainda neste ano, a relação dos números de consultas e de usuários de óculos ficou em 49,8%, demonstrando a eficiência da acuidade visual realizada pelos universitários. Os óculos e os exames médicos são custeados pelo Lions Clube Centenário, presidido pelo também presidente do Banco de Olhos Maria Sesti Barbosa, da Santa Casa de Misericórdia de Presidente Prudente, Irineu Sesti Filho.

 

Com Assessoria de Imprensa da Unoeste

Comentário