Manutenção

Prefeitura autua empresa responsável por ciclovia

Construtora deve efetuar reparos em até 15 dias; entulhos nos trechos e falta de pinturas estão entre as reclamações

BEATRIZ DUARTE - Especial para O Imparcial • 09/02/2018 13:50:22

. Foto: Leandro Nigre, Presença de terra, grama e pedras atrapalham caminhadas

Quem usa a ciclovia às margens da Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira, em Presidente Prudente, reclama do cenário da pista recentemente inaugurada pelo poder público. A presença de terra, grama e pedras, a formação de poças d’água quando chove, bem como a falta de pintura em cruzamento e danos no meio-fio lateral já são evidentes. Para promover os reparos, a Prefeitura informou que a Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos já notificou a empresa responsável pela construção para que conserte e arque com os custos em um prazo de 15 dias.

De acordo com a administração, não haverá necessidade de realizar outra licitação. Consultado pela reportagem, o promotor de Justiça, André Luis Felício, disse que não possuía conhecimento sobre as irregularidades, mas que enviaria equipes técnicas do MPE (Ministério Público Estadual) para avaliações in loco.

A auxiliar de limpeza, Maria Madalena dos Santos, 61 anos, que há dois meses caminha todos os dias pelo local, diz que a entrega da obra chegou em boa hora porque facilita a vida de muitas pessoas, mas que é complicado que o espaço ainda seja destinado apenas para ciclistas. “Em todos os períodos, o movimento de famílias, crianças e pessoas caminhando é bem maior que a presença das bicicletas”, destaca. Para ela, a solução seria a construção de uma via maior, que pudesse comportar os dois públicos. Outra reclamação da moradora é referente à falta de colaboração das pessoas que transitam pelo espaço. “ Muita gente anda com os cachorros e deixa as fezes do animal no espaço e isso não é legal para quem vem depois”.

Para Rosmeire Aparecida Abertino Nogueira, aposentada, 60 anos, a sujeira é o que mais tem chamado a sua atenção a respeito das condições da ciclovia. Ao transitar pelo local até duas vezes por dia, ela comenta que a Prefeitura deveria designar varrição e manutenção da via, uma vez na semana ou cada 15 dias. “Eles passaram a máquina para cortar a grama, mas deixaram vários morrinhos de terra acumulados, isso atrapalha quem passa, não adianta. Quando estou passando pelo local, tomo cuidado para não cair e me machucar”.

Para ela, a obra deveria ter incluído uma pista de caminhada ao lado da ciclovia. “Aqui não temos por onde andar, teríamos de ir até o Parque do Povo, é inviável”. Sobre a divisão de espaço, ela diz que existe um bom relacionamento estre pedestres e ciclistas, e que eles sempre avisam quando precisam passar.

Já o aposentado João Canaza, 73 anos, comenta que está incomodado com a situação. Ele se queixa que alguns ciclistas se incomodam com a presença dos pedestres e até reclamam. João diz que sabe que o espaço é destinado para as bicicletas, mas não entende como não foi construído um específico para as pessoas caminharem. “É impossível andar pelas calçadas devido os buracos, fora isto, elas são muito próximas ao movimento dos carros. A ciclovia é um lugar mais seguro para as pessoas, inclusive para idosos. É um local plano, que não tem subidas, só isso facilita muito a minha vida”.

De bicicleta ou a pé, a cabelereira Sandra Sato, 36 anos, utiliza o espaço até três vezes na semana. Para ela, o que mais incomoda são os caminhões de terra que passam pelo local e deixam o espaço sujo e a falta de pintura nos cruzamentos, que impedem a parada dos carros para passagem dos pedestres. Ela diz que o espaço devia receber ampliação para conseguir atender as duas demandas – ciclistas e transeuntes. “As pessoas não vão deixar de andar na ciclovia, porque aqui é mais seguro”. Como sempre caminha sozinha, ela diz que nunca teve problemas com os ciclistas, mas percebe que eles ficam incomodados com grupos de pessoas que fecham o caminho. “Como eu utilizo de ambas as formas, procuro entender os dois lados”, finaliza.

 

SAIBA MAIS

Inaugurada em menos de dois meses, a ciclovia da zona norte que compreende 3,7 km foi entregue no dia 16 de dezembro de 2017. A construção faz parte do projeto de Mobilidade Urbana, iniciado na administração do ex-prefeito da cidade, Milton Carlos de Mello, Tupã, e do vice Marcos Vinha. A entrega faz parte da ciclovia da Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira, do Lar dos Meninos até o Jardim Panorâmico.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste