Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Preciso cortar o cordão umbilical

  • 16/12/2018 07:30
  • Papai Educa

A penumbra dominava o quarto, já se passava das 22h e, sentado aos pés da cama do João Guilherme, 6 anos, eu permiti que as lágrimas descessem rosto abaixo enquanto ele adormecia. Na medida em que escorriam, minha memória resgatava cenas desde os primeiros dias em que aquele menino chegou à minha vida até a noite anterior em que deitei ao seu lado para que ele pegasse no sono.

Quando ele nasceu, uma das maiores dificuldades que eu e a mamãe encontramos foi a alteração na rotina do sono. O meu, muito leve, me fazia despertar a cada mamada, chorada, trocada de fralda... Pensei que se trataria de um cenário de uma ou duas semanas, no máximo, mas não! No início, não foi fácil, confesso. Embora tivesse de manter a paciência, pois tudo aquilo era novo para os três, o atraso no sono me deixou irritado e estafado.

A primeira vez que ele dormiu cinco horas seguidas na madrugada, tinha oito meses. Levantamos assustados para checar se estava tudo bem. Ah, que maravilha! Durou um dia só. Ele acordava de duas em duas horas para mamar no peito, dia e noite. Além do tempo em cada seio, os minutos para arrotar. Então, foi a vez da mamadeira, após um ano e um mês de vida, e os cochilos ficaram um pouco mais "profundos", mas nada que permitissem uma noite inteira sem levantar.

Buscamos tratamento médico, alteramos a rotina da casa, mas também nos entregamos ao cansaço e permitimos a cama compartilhada, o colchão no chão, a acordar ao seu lado na cama de solteiro, bem como dormir em quartos separados – eu e minha esposa -, após a chegada do irmão, na tentativa de aliviar a carga própria e alheia, além de lhe fazer companhia. Me lembro até da roupa usada do avesso e do desenho do galo colocado sob o travesseiro... Pura crendice, mas a avó falou e poderia funcionar. Nós tentamos...

Houve muitos avanços a também retrocessos... Muitos! Muitos mesmo! Todos na tentativa de acertar. Foram noites incansáveis de vaivém pela casa, de dormir sentado na ponta da cama, de sair de ponta dos pés do quarto dele e, em cinco minutos, vê-lo apontar na porta do nosso. Chacoalha, põe no cama, tira da cama, dá banho antes de dormir, regre o horário... Ufa! E meu menino cresceu, mas ainda hoje, muitas vezes, eu escuto a porta do meu quarto abrir, uma mão pequena tocar as minhas costas e uma voz doce sussurrar. “Pai, eu perdi o sono!”.

Nesta semana, eu decidi não deitar mais ao seu lado, ao mesmo tempo em que desmontei o berço do irmão, de 1,8 meses, e ambos dormiram em suas camas. E isso não quer declarar nenhuma falsa autossuficiência. Deitaremos juntos sempre que precisarmos, continuaremos contando histórias, fazendo nossas orações ou mesmo tendo a presença exigida no calar da noite.

Sem dramatização, nós pais também precisamos cortar o cordão umbilical! Seres em constante evolução, reconhecer a imaturidade que nos torna tão dependentes dos nossos filhos nos faz capaz de transformar qualquer tentativa de superproteção ou medo precoce de um futuro abandono físico e emocional (síndrome do ninho vazio) em potencialização da capacidade da criança em enfrentar desafios, assumir responsabilidades e garantir autonomia e independência. Sem culpa. E, se a lágrima rolar de vez em quando, está tudo bem!

 

ÚLTIMAS DO AUTOR

Papai Educa

Papai Educa

Canal voltado a debater e fomentar a paternidade ativa, focado na importância da participação do pai na criação e educação dos filhos. A proposta é desmistificar estereótipos de que o homem deve ser apenas provedor financeiro do lar, mas dividir as tarefas com a mamãe nos mesmos pesos e medidas. Leandro Nigre é pai, jornalista, especialista em Mídias Digitais, editor-chefe de O Imparcial, e idealizador do Papai Educa www.papaieduca.com.br. Contato: papaieduca@gmail.com

PUBLICIDADE