Arquivo - Camarini diz que “janeiro mais chuvoso” foi em 2009

Foto: Arquivo - Camarini diz que “janeiro mais chuvoso” foi em 2009

INTEMPÉRIE

Precipitação segue intensa

Somente na tarde de ontem, em uma hora, estação meteorológica da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista) registrou 30 mm (milímetros) de chuva na região do campus 2, em Presidente Prudente

  • 14/01/2020 04:28
  • ROBERTO KAWASAKI e THIAGO MORELLO - Da Redação

As chuvas de verão são constantes entre o fim e o começo do ano. Mas, nas últimas semanas, elas se tornaram mais intensas. De acordo com a estação meteorológica da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista), desde o primeiro dia de janeiro foram registrados 260 milímetros de chuva em Presidente Prudente, até a tarde de ontem, quando a cidade foi cenário de uma forte intempérie, com direito a estragos na área central e pontos isolados.

Somente na tarde de ontem, a estação meteorológica da Unoeste registrou 30 mm (milímetros) de chuva na região do campus 2, “em apenas uma hora”, conforme o climatologista Vagner Camarini. Ainda de acordo com ele, na área central, ponto mais atingido, a quantidade pode ter sido maior, uma vez que as fortes pancadas atingiram áreas isoladas.

A reportagem também procurou a estação da FCT/Unesp (Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente), que tem medidor mais próximo de onde as fortes chuvas atingiram, no centro, mas não conseguiu verificar a quantidade de milímetros registrados.

Mas não é de hoje que as pancadas assolam o céu prudentino. Do total que já choveu até hoje, 260 mm, apenas no domingo, a estação da Unoeste catalogou 76 mm de água. A estimativa é de que as pancadas de chuva permaneçam até meados de março, mas com intervalos maiores entre elas.

É o que afirma o climatologista Camarini. “A umidade alta associada ao calor causa muitas pancadas chuvas. Então, quando vem uma frente fria, igual está vindo agora, intensifica essas áreas de instabilidade e provoca as pancadas”, explica. Segundo Vagner, quando a situação é aliada ao corredor da umidade que vem da Amazônia, os volumes de chuva acabam ficando elevados.

TRIMESTRE

QUE PROMETE

Apesar dos altos índices registrados neste ano, Camarini analisa que “o janeiro mais chuvoso” foi o de 2009, quando totalizados 536 milímetros de água na estação. A estimativa é de que o primeiro mês de 2020 fique abaixo, entre 300 e 350 milímetros em Prudente. Ainda, conforme a previsão, os três meses do verão, somados, devem fechar entre 600 e 700 milímetros de chuva.

Diante destas previsões, é importante que os órgãos municipais estejam preparados para a precipitação que está por vir. Não apenas os municípios, mas a comunidade que deve estar atenta quanto às áreas de risco. Conforme o Corpo de Bombeiros, na chuva de domingo houve registros de quedas de árvores, fios energizados e alagamentos. Porém, sem vítimas. No entanto, fica o alerta para que os cuidados sejam tomados.