COTIDIANO

Porto de Santos deve dobrar o movimento em quatro décadas

No ano de 2060, o movimento anual de cargas no Porto de Santos, o maior da América Latina, chegará a 280,1 milhões de toneladas, de acordo com projeção do Plano Mestre do Complexo Portuário, disponibilizado pelo governo federal por meio do Ministério da Infraestrutura. O estudo, divulgado pelo jornal A Tribuna, de Santos, parte do pressuposto de um crescimento anual de 1,6%, o que resultará numa expansão de 110,44% ao final das próximas quatro décadas. Em 2018, passaram pelos terminais da região 133,1 milhões de toneladas. Numa visão mais pessimista, o aumento anual seria de 1,2%, atingindo 23

  • 24/04/2019 04:23
  • Contexto Paulista

Porto de Santos

deve dobrar o

movimento em

quatro décadas

No ano de 2060, o movimento anual de cargas no Porto de Santos, o maior da América Latina, chegará a 280,1 milhões de toneladas, de acordo com projeção do Plano Mestre do Complexo Portuário, disponibilizado pelo governo federal por meio do Ministério da Infraestrutura. O estudo, divulgado pelo jornal A Tribuna, de Santos, parte do pressuposto de um crescimento anual de 1,6%, o que resultará numa expansão de 110,44% ao final das próximas quatro décadas. Em 2018, passaram pelos terminais da região 133,1 milhões de toneladas. Numa visão mais pessimista, o aumento anual seria de 1,2%, atingindo 233,5 milhões de toneladas em 2060, enquanto em uma abordagem mais otimista, o percentual chega a 2% e o total, 326,7 milhões de toneladas.

 

Os números

O granel sólido vegetal, que inclui cargas como açúcar, grão de soja, milho, farelo de soja e trigo, movimentou 61,8 milhões de toneladas em 2018. A previsão é de que passe para 102,2 milhões de toneladas em 2060. Os granéis líquidos minerais – petróleo, derivados de petróleo, etanol, produtos químicos, soda cáustica, amônia e caulim – somaram 12,9 milhões de toneladas em 2017. Em 2060, espera-se uma movimentação de 27,5 milhões de toneladas, crescimento médio de 1,7% ao ano no longo prazo e de 3,5% até 2020. Os granéis sólidos minerais - fertilizantes, enxofre, sal, carvão mineral e minério de ferro – registraram em 2017 movimento de 6,9 milhões de toneladas. Para 2060, o número deve subir para 15,2 milhões de toneladas, média de 1,8% ao ano.

 

Passageiros

O terminal de passageiros do Porto de Santos atualmente pode atender a 42 mil pessoas por dia. Na temporada 2016/2017, recebeu 471,7 mil passageiros em 91 escalas. A previsão é que em 2060 passem pelo local 1,4 milhão de passageiros em 153 escalas.

 

Perfil

O porto marítimo de Santos é responsável por uma parcela significativa das exportações agrícolas e industriais brasileiras. Além do Estado de São Paulo, sua área de influência se estende a Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Paraná, além de países do Mercosul. Servido por uma malha rodoviária, complementada por ferrovias que permitem a interligação com a Hidrovia Tietê-Paraná, e próximo dos aeroportos de Guarulhos e Viracopos, o Porto de Santos tem área útil total de 7,8 milhões de metros quadrados, quase 16 quilômetros de cais, 55 terminais marítimos e retroportuários e 65 berços de atracação (51 públicos e 14 privados), além de armazéns especiais para granéis sólidos, açúcar, soja, farelos, trigo, fertilizantes e sal e tanques para produtos químicos e combustíveis.

 

Demanda calculada

Para chegar à estimativa para 2060, o Ministério da Infraestrutura e a Universidade Federal de Santa Catarina, através do Laboratório de Transportes e Logística, projetaram a demanda de cargas e passageiros, infraestrutura e operações portuárias e acesso aquaviário e terrestre. Aspectos ambientais, a relação porto-cidade, a gestão administrativa e financeira da autoridade portuária, análise estratégica, plano de ações e investimentos também fazem parte da pesquisa.

 

Investimentos no interior

●          Em Piracicaba, a ElringKlinger inaugurou uma nova fábrica, com um investimento de R$ 25 milhões. A unidade é dedicada à produção de peças plásticas para a indústria automotiva.

●          Em Jacareí, a Anaconda anunciou um novo centro de distribuição. A empresa produz farinha, amidos e féculas e já possui três unidades de distribuição no Estado de São Paulo (Bauru, Bebedouro e Valinhos).

 

Estradas

Desde o lançamento em fevereiro do lote de concessão de rodovias entre Piracicaba e Panorama, na divisa com Mato Grosso do Sul, o governo estadual realizou seis audiências públicas, em Bauru, Rio Claro, Oswaldo Cruz, Rancharia, Marília e São Paulo. O empreendimento contempla trechos das rodovias que atravessam 62 municípios das regiões de Piracicaba, Rio Claro, Jaú, Bauru, Marília, Assis e Panorama. Com o novo lote, a extensão da malha concedida saltará de 8,4 mil quilômetros para 9,3 mil quilômetros no Estado de São Paulo. A previsão de investimentos é de R$ 9 bilhões em 30 anos de contrato.

 

Aéreo

A empresa aérea Azul anunciou planos para a inclusão este ano de Araraquara e Guarujá em seu mapa. Araraquara terá ponte com Campinas, de onde há conexão para todo o país, e Guarujá deverá ligar o litoral paulista com o Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba.

 

Na Assembleia

O deputado Márcio da Farmácia (PODE), que tem base eleitoral no Grande ABC, aponta demora na distribuição de medicamentos de alto custo pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e sugere que o governo estadual descentralize a distribuição.

 

Reciclagem

Alunos da Fatec (Faculdade de Tecnologia) de Pindamonhangaba desenvolveram uma ferramenta que auxilia na coleta e destinação de resíduos para reciclagem. O aplicativo Você Recicla, concebido em parceria com estudantes de outras três universidades, está sendo aplicado no município, com a perspectiva de expansão para outras cidades do Vale do Paraíba.

 

Empregos

O trabalho doméstico voltou a crescer na Região Metropolitana de São Paulo em 2018, segundo a Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados).