Organon

Polícia Civil aponta Paraguai como esconderijo de foragidos

Três homens foram presos em flagrante e são investigados por serem membros de uma organização criminosa que tinha a região como rota do tráfico de maconha

  • 01/06/2019 05:41
  • ROBERTO KAWASAKI - Da Redação

A Polícia Civil do Estado de São Paulo deflagrou ontem a operação denominada Organon, que visa desarticular uma organização criminosa atuante no tráfico de maconha, que utilizava a região de Presidente Prudente como rota do comércio ilegal. Dos cinco mandados de prisões expedidos pela Justiça, três foram cumpridos e resultaram nas prisões em flagrante de indivíduos. Outros dois são considerados foragidos. Conforme a Delegacia de Polícia Civil de Presidente Venceslau, que está à frente da investigação, a suspeita é de que a dupla tenha se escondido no Paraguai, local onde a organização criminosa buscava o entorpecente para comercialização.

O delegado Adalberto Gonini, titular da Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), explica que uma “grande quantidade de droga” era adquirida na divisa entre o Brasil e o Paraguai, e armazenada em um imóvel localizado na área rural de Presidente Epitácio, pertencente a um dos presos. Depois de sair do município, parte dela era colocada em veículos de pequeno porte e transportada a Tatuí (SP) e São Paulo (SP) para posterior comércio ilegal nestas regiões. Durante o transporte, o material era camuflado e seguia viagem pelas rodovias por meio de batedores (veículos que sinalizam possíveis barreiras policiais).

A identificação da organização criminosa foi possível depois da prisão um homem há pouco mais de um mês, em Presidente Venceslau, detido dentro de um veículo Fiat/Uno com aproximadamente 50 kg de maconha. Depois de identificado e conduzido para prestar depoimento na Delegacia de Polícia Civil, verificou-se a origem da droga e teve início a investigação pelo setor de inteligência da polícia. “Uma pequena parte da droga ficava na região, sendo distribuída em Epitácio, Presidente Prudente e Presidente Venceslau. A maior quantidade era transportada para a capital e comercializada em outros locais”, explica o delegado.

Dinheiro do tráfico

No decorrer das diligências, dois homens, 43 e 45 anos, foram presos em Tatuí. Outro, de 21 anos, que é morador de Presidente Epitácio, foi detido em São Paulo. Dois homens, 19 e 27 anos, são os foragidos que, possivelmente, estão no Paraguai. Ontem pela manhã, a Polícia Civil também cumpriu seis mandados de buscas domiciliares. Durante os trabalhos apreenderam 10 aparelhos celulares, R$ 29 mil em diversas notas e um relógio avaliado em R$ 6 mil. Segundo a investigação, o montante apreendido é proveniente do tráfico.

Participaram da operação um total de 32 policiais civis da área da Delegacia Seccional de Presidente Venceslau, com apoio de Tatuí e São Paulo, além do apoio da do canil da Polícia Militar e Força Tática no município de Tatuí.