ABr - Líder da facção, Marcola está encarcerado no presídio federal de Brasília

Foto: ABr - Líder da facção, Marcola está encarcerado no presídio federal de Brasília

FACÇÃO

Plano para resgate de Marcola “continua em pé”

Na Penitenciária Federal de Brasília, segurança foi reforçada ao redor do prédio, após ameaça de fuga para retirar o líder Marcola

  • 13/02/2020 04:01
  • ROBERTO KAWASAKI - Da Redação

Desde a remoção ao Sistema Penitenciário Federal, o líder da facção, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, está na unidade em Brasília (DF). Os demais, em penitenciárias de Mossoró (RN) e Porto Velho (RO). Mesmo com o forte esquema de segurança, o plano para resgatar o cabeça do grupo continua em pé, segundo afirmado pelo promotor de Justiça, Lincoln Gakiya. Diante da ameaça, o presídio onde se encontra está cercado por tropas do Exército e blindados para impedir a possibilidade de fuga e resgate.

Em nota encaminhada a O Imparcial, o Depen (Departamento Penitenciário Nacional) explica que, para garantir a custódia, guarda e segurança dos presos “de alta periculosidade”, promove uma série de ações como: inteligência, reforço das estruturas e do efetivo, apoio das forças armadas, entre outras, “procedimentos, estes, inerentes a um sistema que se propõe a combater as maiores facções criminosas do país”. Conforme o órgão, nas cinco penitenciárias federais instaladas, não há histórico de registro de fugas, rebeliões ou entrada de materiais ilícitos.

Tendo em vista a desarticulação do crime, em agosto de 2017 foi instituída a Portaria 718 do Ministério da Justiça, que proíbe visitas íntimas aos presos, salvo para réus colaboradores e réus delatores. Já em fevereiro de 2019, entrou em vigor a Portaria 157, que disciplina o procedimento de visita social aos presos nos estabelecimentos penais federais de segurança máxima. A medida determinou que as visitas sociais nos estabelecimentos penais federais sejam restritas ao parlatório (através do vidro) e por videoconferência, sendo destinadas exclusivamente “à manutenção dos laços familiares e sociais”.

SAIBA MAIS

Nas unidades federais, em todas as movimentações, como saída para banho de sol e atendimentos de saúde, o preso fica algemado. Todas as vezes que ele deixa o seu dormitório, é realizado procedimento de revista no preso e na cela. Dentro dela não há tomadas elétricas, a energia e o chuveiro ligam em hora determinada. A comida é servida seis vezes ao dia e é balanceada de acordo com as necessidades nutricionais dos presos. Toda a comida é entregue individualmente por cela. Os presos não têm acesso a TV, rádio ou qualquer comunicação externa.