Reprodução/CBF - Antes da partida, realizada anteontem, atleta ficou concentrado e treinou no CT do Palmeiras, na capital paulista

Foto: Reprodução/CBF - Antes da partida, realizada anteontem, atleta ficou concentrado e treinou no CT do Palmeiras, na capital paulista

LATERAL-ESQUERDO

Pirapozense, Abner estreia com camisa do Brasil

Jogador foi convocado para a Seleção Olímpica da CBF Sub-23; chance de brilhar em campo ocorreu na segunda-feira à noite, quando a equipe enfrentou o Chile

  • 11/09/2019 07:04
  • THIAGO MORELLO - Da Redação

“Tem um vídeo de divulgação da CBF [Confederação Brasileira de Futebol], que apresenta os jogadores convocados. A hora que ele viu o nome dele passando, ele ainda me falou: ‘ainda não consigo acreditar’”. Foi dessa forma que a ficha do lateral-esquerdo da Seleção Olímpica da CBF Sub-23, Abner Vinicius da Silva, 19 anos, de Pirapozinho, começou a cair. Pelo menos é dessa forma que narra o irmão dele, Jean Carlos Silva Santos, após o jogador ter sido convocado à equipe na semana passada. Mas a ficha só caiu mesmo quando ele entrou no gramado com a camiseta do Brasil estampada no peito e pôde sentir a emoção “de representar um país todo”, como dito por ele mesmo. E a oportunidade veio e se concretizou na noite de segunda-feira, às 20h, quando o time encarou o Chile em um amistoso.

Para ser ainda mais feliz, o placar final foi de 3 a 1 para a seleção brasileira, o que pra ele dá um gostinho maior de prazer, uma vez que pôde entrar em campo durante uma vitória do Brasil, logo na estreia dele. Estreia essa que ocorreu aos 28 minutos do segundo tempo. E para o atleta, “as coisas têm acontecido rápido”.

Mas isso não quer dizer que não seja uma coisa boa. Muito pelo contrário. Na fala, o jogador destaca ainda que se sente abençoado por Deus, em vista das oportunidades que têm alcançado, “em tão pouco tempo”. Ele não deixa de frisar, ainda, que esse é um dos “objetivos que todos sonham”.

Mas tudo foi uma surpresa. E ocorreu tudo tão rápido. Tanto que, nesses últimos dias, por exemplo, o jogador ficou integralmente treinando em prol da seleção, ficando off, por um tempo, do Athletico (PR) - time atual. De modo que nem a reportagem conseguiu falar com ele. Quem fez a ponte no contato foi o próprio irmão. “O que ele me passou é que é realmente um sonho. Quando ligaram pra ele, ele não acreditou. Ligaram em um dia e no outro o Abner já estava pegando o avião e se juntando ao grupo”, completa.

E a primeira chance de brilhar ocorreu na quinta-feira passada, quando a equipe enfrentou a Colômbia em um amistoso. Vitória para o Brasil, num placar de 2 a 0, no entanto, Abner acabou não entrando em campo. À reportagem, Jean destaca que, mesmo assim, “ele sentiu a emoção de estar ali vivendo tudo aquilo”, pontua.

E a oportunidade também surgiu na noite de anteontem, que foi 100%aproveitada. O jogo foi às 20h - após o fechamento dessa edição -, no Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu. Horas antes, a fim de enfrentar a seleção chilena, o grupo estava concentrado no CT (Centro de Treinamento) do Palmeiras.

Cabe lembrar que Abner foi convocado pelo técnico André Jardine, na última quarta-feira, para o lugar de Renan Lodi, do Atlético de Madrid (ESP), que segue convocado, mas não se apresentou.

Histórico

Antes de chegar ao clube atual, Abner passou pela Ponte Preta, onde disputou 17 jogos - com um gol marcado -, o lateral esquerdo estava na base do Mogi Mirim. Em junho, quando assinou com o time campineiro, em entrevista ao O Imparcial, já era possível ver a promessa se transformando em jogador.

O contrato com a Macaca seria válido até junho de 2022, mas o jogador pediu rescisão do contrato com o clube, que o liberou mediante o pagamento da multa contratual, estipulada em R$ 10 milhões. O contrato com Abner com o Athletico (PR) vai até julho de 2024.

E como já informado por esse periódico, mas válido de ser lembrado, a contratação do lateral esquerdo para o atleticano tornou-se a mais cara da história do clube, superando os valores pagos por Morro García, atacante uruguaio comprado por cerca de R$ 7 milhões em 2011, e Felipe Gedoz, meia ainda com contrato com o clube paranaense e emprestado ao Vitória, comprado por cerca de R$ 5 milhões em 2016.

 

Foto: Reprodução/WhatsApp

Pós-vitória, momento foi de muitas fotos com a torcida