Peças de telecomunicações são apresentadas em PP

Em bate-papo ocorrido no Museu e Arquivo Histórico “Prefeito Antônio Sandoval Netto”, cerca de 20 pessoas puderam conhecer a evolução das telecomunicações na cidade e região

ROBERTO KAWASAKI - Da Reportagem Local • 03/05/2018 18:32:07

Na manhã de ontem, os amantes de peças antigas puderam conhecer um pouco sobre o funcionamento e evolução das telecomunicações na região de Presidente Prudente. No centro da sala exposições do Museu e Arquivo Histórico “Prefeito Antônio Sandoval Netto”, um grupo de aproximadamente 20 pessoas ouvia atentamente às histórias contadas por Dary Bonomi Avanzi, diretor geral da Avanzi Soluções em Telecomunicações, que foi radiotelegrafista entre os anos de 1950 e 1960 na cidade e acompanhou a evolução dos meios. Com a iniciativa da Secult (Secretaria Municipal de Cultura) e parceria com o grupo, o diretor apresentou fotos, áudios e equipamentos para compartilhar com os visitantes.

Dary conta que quando chegou a Prudente, em 1958, as mudanças nos meios de telecomunicações já eram previstas devido à evolução dos processos mecânicos da época. Dentre os assuntos comentados no bate-papo, ele explica que antigamente as mensagens eram encaminhadas por meio de telegramas, o que demorava certo tempo para chegar até o devido local. “Quando a sociedade tinha um problema para recorrer às autoridades, os representantes utilizavam desse veículo para manterem a comunicação”, expõe.

Valentina Terescova Romeiro Flores é coordenadora do museu e acredita que devido às tecnologias oferecidas atualmente, o evento proporciona o conhecimento da evolução desses meios desde os tempos antigos até os mais recentes. “Hoje tudo é muito moderno, como a internet em uma velocidade rápida, por exemplo. Mas é interessante refletir a maneira que as máquinas cresceram para chegarem ao que são hoje”, afirma.  

Além da mesa redonda, a coordenadora esclarece que o espaço está sempre de portas abertas para receber a população, uma vez que um dos objetivos do local é “mostrar que nosso museu tem um olhar diferenciado para a cidade porque buscamos mostrar em detalhes o nosso arquivo histórico”.

 

Reviver o passado

Para o diretor da Rádio Comercial AM, Nilton Mescoloti, 80 anos, o bate-papo possibilitou a ele uma viagem no tempo para reviver os 16 anos de idade, quando passou a conhecer os aparelhos apresentados. Ele acredita que o evento tem uma “importância extrema” tanto para aqueles que conheceram os equipamentos há muitos anos, quanto para os jovens que buscam perspectivas desse meio. No entanto, a reportagem observou que a maior parte dos interessados na mesa redonda eram as pessoas que realmente viveram aquela época.

Na empresa de rádio em que Nilton é proprietário, foi montado um espaço dedicado a equipamentos voltados à origem do rádio. “O centro de memória foi feito para preservar a história desse meio de comunicação, que começou há muitos anos”, expõe.

 

SAIBA MAIS

Curiosidade

Um objeto antigo que também servia para a comunicação era o rádio portátil que, segundo conta Dary, era utilizado principalmente pelos policiais. Com o objeto em mãos, explica que a evolução permitiu que o equipamento sofresse mudanças, o que possibilitou a diminuição no porte físico. Além deste, explica que a linguagem por código era de difícil compreensão, mas que a partir do momento em que a pessoa parava para estudar, conseguia tirar de letra. “A comunicação por códigos funcionava como um som musical e conforme o tempo dos intervalos, a mensagem era decifrada”, finaliza.

 

 

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste