Flagrantes

Passageiras são presas com 29 kg de maconha em ônibus

Abordagens ocorreram na madrugada de hoje durante fiscalização de rotina da polícia; apreensões totalizaram 34 tabletes da droga

30/01/2019 09:58 • ROBERTO KAWASAKI - Da Redação
Polícia Militar Rodoviária - Fiscalização na SP-270 prendeu duas mulheres por tráfico de drogas Polícia Militar Rodoviária - Fiscalização na SP-270 prendeu duas mulheres por tráfico de drogas

A Polícia Militar Rodoviária prendeu duas mulheres na madrugada de hoje por tráfico de drogas, depois de constatado que elas transportavam tabletes de maconha escondidos em meio às bagagens em dois ônibus. As abordagens ocorreram na Rodovia Raposo Tavares (SP-270), em Presidente Venceslau. Ao final das apreensões, o policiamento constatou 29 kg de entorpecentes, distribuídos em 34 tabletes prontos para a comercialização.

O primeiro flagrante envolveu uma mulher de 20 anos, moradora de Limeira (SP). Durante fiscalização no interior do coletivo MBenz/MPolo Paradiso R, com itinerário Ponta Porã (MS) a São Paulo (SP), os policiais perceberam que a passageira ficou nervosa com a aproximação da equipe, o que levantou suspeita. Em revista nos pertences da jovem, os militares localizaram duas bolsas com quatro tabletes de maconha, o que totalizou 21,6 kg.

Diante do flagrante ela foi questionada sobre a procedência dos produtos, porém, utilizou o direito de permanecer calada. Desta forma, recebeu voz de prisão por tráfico de drogas e foi apresentada na Delegacia de Polícia Civil, onde aguarda audiência de custódia.

Recompensa

Horas após a prisão da acusada, o policiamento flagrou outra tentativa frustrada de transportar entorpecentes pela Rodovia Raposo Tavares, em um ônibus de mesmo modelo que saiu de Ponta Porã e seguia para São Paulo. De acordo com a corporação, uma mulher de 24 anos alegou que receberia R$ 1 mil para levar drogas do município de Deodápolis (MS) a Campinas (SP), onde reside.

Durante buscas, os policiais encontraram a mala da passageira contendo 10 tabletes de maconha que resultaram em 7,4 kg. Segundo a acusada, os produtos foram adquiridos por um indivíduo desconhecido, e não forneceu mais informações a respeito do fato. Assim como a primeira abordada, permanece em cárcere, à disposição da Justiça.