Foto: Cedida/Leonardo Melo, Leonardo Melo bateu o recorde pessoal e brasileiro na etapa do nacional

NO TOPO Paratletas de PP vencem provas em etapa nacional

 07/06/2017  - PAULO TAROCO

A A A

Os paratletas prudentinos Leonardo Melo, competidor da categoria T-54 (para cadeirantes), e Gustavo Henrique de Araújo, competidor da categoria T-13 (para atletas com baixa visão), participaram com destaque das provas da 1ª etapa do Campeonato Nacional de Atletismo, conhecida também como Circuito Caixa, disputada no último final de semana, no Centro Paralímpico Imigrantes, em São Paulo.

Leonardo Melo ficou no primeiro lugar do pódio nas provas dos 100, 1,5 mil e 5 mil metros. Na prova dos 800 metros, o velocista prudentino não conseguiu terminar a prova por problemas mecânicos com a cadeira de competição. Na manhã do próximo domingo, Leonardo Melo participará da Maratona de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Mesmo longe das metas e dos índices exigidos para a garantia de vaga ao Mundial da categoria, que ocorrerá em julho, em Londres, na Inglaterra, o paratleta se mostrou satisfeito com as marcas alcançadas e os resultados obtidos na primeira etapa nacional. “Com certeza, as marcas foram muito boas e os resultados satisfatórios. Continuarei trabalhando, buscando vaga para as próximas convocações da equipe nacional”, disse o paratleta. Na prova dos 100 metros, Leonardo de Melo quebrou o recorde nacional anterior, de 15s65, pertencente a ele mesmo. A nova marca estabelecida é de 14s 90. Dentre as convocações mais aguardadas pelos paratletas está a para os próximos Jogos Parapan-Americanos, em 2019, no Peru.

Já Gustavo Henrique venceu as duas provas que participou, dos 100 e 200 metros. Na prova dos 100 metros, o paratleta venceu com o tempo de 11s20 e, na prova dos 200 metros, com o tempo de 22s43. As marcas foram insuficientes para garantir a classificação direta para o Mundial da categoria. Entretanto, Gustavo Henrique já detinha o índice B, uma espécie de marca reserva para a convocação geral ao Mundial, conquistado no final do mês de abril, em Cali, na Colômbia.

Comentário