José Reis - Encontro na noite de ontem reuniu empresas, técnicos em segurança do trabalho e alunos

Foto: José Reis - Encontro na noite de ontem reuniu empresas, técnicos em segurança do trabalho e alunos

CONHECIMENTO

Palestra debate revisão de normas regulamentadoras

Encontro orientou profissionais da área de segurança do trabalho, já que em julho foram anunciadas duas portarias que devem simplificar e desburocratizar regras

  • 05/09/2019 07:55
  • GABRIEL BUOSI - Da Reportagem Local

O Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) de Presidente Prudente sediou na noite de ontem um evento que objetivou falar sobre as NRs (normas regulamentadoras), que são obrigações e deveres de empregados e trabalhadores, já que em julho foram anunciadas por parte do governo duas portarias que possuem como objetivo a simplificação e desburocratização das regras. “Convidamos empresas, técnicos de segurança do trabalho e alguns alunos, que vão ouvir sobre as revisões e que trazem ganho de tempo, efetividade nos treinamentos e não deixam o trabalhador exausto”, comenta o engenheiro de segurança do trabalho do Senai, João Carlos Pires Campos.

O especialista lembra que a proposta veio de uma ideia do governo de simplificar e harmonizar as normas de segurança, já que vem trabalhando em cima de uma revisão dos 37 itens. Para ele, uma das principais alterações foi em cima da NR1, que é a norma-base para as demais, e que apresenta agora uma simplificação no que diz respeito aos treinamentos, regulamentando, por exemplo, os semipresenciais e EAD (Educação à Distância), que para ele sempre foram “uma polêmica”.

“É uma grande vantagem por ser uma reclamação antiga, já que cada norma tinha seus treinamentos com suas cargas horárias, formatações e conteúdos específicos. A partir de agora, com essa nova medida, será possível aproveitar esses treinamentos e otimizar tempo”, lembra João. Sobre a importância do evento, ele finaliza ao dizer que em outros países há uma ideia de que a cada R$ 1 investido em segurança, você deixa de gastar R$ 4, mas afirma que no Brasil essa ainda não é uma realidade, já que há dificuldades em enxergar os retornos desse investimento. “É importante que todo empregador garanta as atividades com segurança e que não ofereça condições ruins para os trabalhadores”.

Conhecimento atualizado

O técnico em segurança do trabalho de 43 anos, Gleisson Henrique Ferreira, foi um dos presentes na noite de ontem. O convite surgiu a partir de amigos da profissão e para ele a iniciativa, além de ser importante, significa uma obrigação. “É preciso estar atualizado, caso contrário, você está sujeito a ser surpreendido a qualquer momento por uma mudança na legislação”. 

Gleisson ressalta que não conhecer tais normas de segurança faz com que haja uma série de problemas e que estão ligados uns aos outros, como acidentes de trabalho e autos de infração. “Isso é o mínimo, o profissional precisa conhecer a legislação, ou ficará para trás”.