O fisioterapeuta de hoje

  • 21/02/2020 05:00
  • Alessandra Madia Mantovani Fabri

A fisioterapia é uma profissão muito versátil. Aquele que opta por essa formação é habilitado para trabalhar em todos os níveis de atenção à saúde (desde os programas de prevenção da saúde coletiva, até hospitais de alta complexidade), bem como atuar em clínicas e ambulatórios, SPAs, centros de treinamento, home care, em cargos administrativos da área da saúde, indústrias e muito mais.

O trabalho do fisioterapeuta vai além da análise física propriamente dita de seu paciente. Para ter sucesso, esse profissional tem fortalecido o componente humano que se traduz no acolhimento e na escuta. O olhar para esse paciente é integralista pois considera todo o indivíduo e não apenas o seu diagnóstico clínico, independente da área que atue.

Dentre as principais áreas generalistas constam a ortopedia, neurologia, cardiologia, pneumologia, hospital geral, gerontologia, terapia intensiva, uroginecologia, saúde coletiva, desportiva, oncologia, dermatofuncional e, mais especificamente, também pode atuar com fisioterapia aquática, pilates, osteopatia, quiropraxia, microfisioterapia, dentre outras. E, cabe destacar que, cada vez mais, a ciência cresce neste campo fornecendo base sólida para ações de diagnóstico, prevenção e tratamento fisioterapêuticos.

O mercado de trabalho garante boa absorção e diferentes oportunidades de trabalho, sobretudo, pelo fator empreendedor deste profissional, que pode atuar com diferentes vínculos trabalhistas, sendo autônomo, empresário ou contratado por alguma empresa. A satisfação com o trabalho é alta entre os que atuam nas diferentes áreas.

Diante deste dinamismo característico da profissão, é importante que busque uma formação acadêmica inovadora, que lhe contribua para a formação de um profissional empático, criativo, empreendedor e, sobretudo, em constante atualização, se aprofundando em áreas de maior identificação após a graduação pois o mercado de trabalho exige esse diferencial.

ÚLTIMAS DO AUTOR