O esporte, a cidade e suas tradições...

  • 24/07/2019 05:20
  • Marcos Alves Borba

Já se foi um tempo em que, em pleno mês de julho ouvimos às inúmeras conquistas de nossa cidade que vinham trazendo os resultados satisfatórios de nossos atletas, durante as competições dos jogos regionais. É bem verdade, e isso, ponderamos o tempo, devido suas inserções protocoladas, devido aos grupos existentes, sendo que as memórias não são retrógadas, mas muitas vitórias e conquistas de uma nação prudentina de muitas glórias.

Fazer parte desse arsenal, e que sem dúvidas, muitos atletas e dirigentes se perpetuavam desse tempo e cenário, como forma de acreditar que devido às intempéries não condizentes á esse tempo real, poderia e muito seguir uma tradição em prol de uma gama dos pequenos que ainda estão por vir. E quando muitos ainda se perguntam o que verdadeiramente poderia ser feito, há necessidade de se dar continuidade nesse processo de evolução. Sem dúvidas, que não só Presidente Prudente como outras cidades da região sentiram o efeito sanfona de um tempo em que muitos que tentaram fazer do esporte um forte aliado as suas mudanças, e que infelizmente sempre ficaram nas mãos daqueles que teoricamente se apoderavam de uma força que necessariamente é o impulso de qualquer resultado esperado: A verba.

Ouvia-se e muito, quando aqueles que poderiam fazer de suas habilidades em cada esporte praticado, um vínculo com a cidade. Sem dúvidas que Presidente Prudente fazia o possível, e até o impossível, para que determinados atletas se filiassem e até se radicalizasse por aqui. Sendo até uma forma de fortalecer sua imagem, numa possível força de uma marca que a própria cidade se abdicava. São inúmeras as pessoas que por ventura, numa ânsia de poder representar um forte município do estado de São Paulo, que com o passar do tempo foi criando um pequeno celeiro de futuros praticantes e que disseminasse um estímulo aos possíveis “DNA’s” de uma força maior do estado.

Vivemos momentos até insanos, mas não impossíveis, quando se quer ou tentar seguir uma tradição de um município que respirava o esporte, como uma garantia de que seus futuros meninos e meninas poderiam procriar seus valores como cidadãos, o que as pequenas e grandes instituições viam recriando seus espaços na crença de que futuro já estava pronto. Muitos vieram, muitos se foram, mas o resgate desses valores como fortalecimento em vários setores de uma sociedade que sempre tentou reiniciar e reeducar todos aqueles, mesmo ficando por aqui pouco tempo. Credenciar um esporte como garantia de força maior, poderíamos ser injustos, devido àqueles que sem muita representatividade de sua modalidade, se doava também e muito.  

Se os tempos são outros, é possível que no fortalecimento de outras áreas ou setores, possam se perpetuar da responsabilidade e sensibilidade daqueles na distribuição de valores e que deem o sentido de como se criar uma marca forte. Uma marca que esteja vinculada as diretrizes de um município que desde então, vem lutando e muito, por uma representatividade em todos os setores no estado de são Paulo.

Desde o início de um planejamento, para que seja ele alcançável, há necessidade além do setor maior de uma gestão, sendo ele o Executivo, fazer de suas atribuições o repasse aos seus comandados, mas de maneira efetiva e condizente para que quando chegar ao legislativo possa até ser efêmeros seus argumentos, mas que possa fortalecer a todos por um processo de evolução e conquista desse tão esperado esporte do futuro.

Quem são os protagonistas hoje? Quem são os nossos aliados que irão perpetuar os novos projetos, junto a uma comunidade que clama resultado com efetividade? E muitos ainda acreditam que, cidadania condizente com formação numa educação de resultados, precisará sempre com cautela rever seus verdadeiros conciliadores que protagonizam essa ação chamada “projeção futura do esporte na cidade de Presidente Prudente e Região”.