O amigo dos deficientes

  • 12/05/2019 05:30
  • Sandro Rogério dos Santos

Na terça-feira, 7 de maio, aos 90 anos, vítima de câncer, morreu em Paris um homem especial, desses que todos deveriam conhecer e tomar contato com a sua obra. Falo de Jean Vanier, fundador da Arca (“L’Arche”), “uma rede de pequenos lares e comunidades em que vivemos juntos, homens e mulheres com deficiências mentais – provenientes de instituições, hospitais psiquiátricos, famílias com disfunções – e aqueles que se sentem chamados a compartilhar a vida com eles”. Atualmente, há mais de 150 comunidades espalhadas pelo mundo, também no Brasil.

Nascido em Genebra, em 10 de setembro de 1928, filho de pais canadenses, torna-se oficial da Marinha, britânica/canadense. Em 1950, uma reviravolta. Sente-se atraído pelo evangelho. Desiste da carreira militar e começa a estudar teologia e filosofia. Abandona a carreira universitária na Universidade de Toronto quando descobre que sua verdadeira vocação é encontrar Jesus nas pessoas mais fracas e abandonadas. Em 1964 funda a Arca e em 1971 contribui para o nascimento do movimento Fé e Luz (“Foi et Lumiere”). Foi membro do Pontifício Conselho para os Leigos e em 2015, recebeu o Prêmio Templeton, espécie de Nobel da espiritualidade.

Nas obras de Henri Nouwen – padre holandês, destacado escritor e mestre espiritual contemporâneo que viveu anos de sua vida numa comunidade da Arca, chamada Daybreak em Toronto – ‘conheci’ essas comunidades com deficientes mentais e um pouco da vida de seu fundador. Tornaram-se uma fonte de inspiração e de provocação ao nosso jeito de ser e de estar no mundo. Na quarta-feira, 8, em sua audiência semanal na Praça São Pedro, o papa constatou: “Ele trabalhava pelos mais pobres, pelos mais descartados, também por aqueles que no ventre de sua mãe foram sentenciados à morte – às vezes, tenta-se convencer seus pais a tirá-los e não deixá-los nascer. Ele os acolheu e deu sua vida”, e Francisco acrescentou: “Que Jean Vanier permaneça um exemplo para todos nós, que nos ajude do Céu”.

No site da comunidade, Vanier é apresentado como “filósofo, escritor, líder religioso e moral, fundador de comunidades para pessoas com e sem deficiência mental... e acima de tudo, um seguidor de Jesus, um pacificador...”. Em suas palavras: “A história da L’Arche começou da constatação dessa enorme lacuna de injustiça e dor. É uma lacuna entre o chamado mundo "normal" e as pessoas que foram deixadas de lado, colocadas em instituições, excluídas de nossas sociedades porque são fracas e vulneráveis. Essa lacuna, para nós, é como um convite. É através dele que nós chamamos as pessoas a responder”. Escreveu num texto, pleno de sabedoria existencial: «Nas sociedades atuais é impressionante o nexo existente entre a recusa de olhar a morte nos olhos e um grande medo da fecundidade».

“Deus se revela na fraqueza e na vulnerabilidade. Eu descubro quem Jesus realmente é quando eu descubro que sou fraco e que preciso de um Salvador que me salve dos meus medos e das minhas atitudes compulsivas. Que me ajude, sobretudo a aceitá-los, isto é, que as coisas não mudarão rapidamente, como podemos desejar. Devo aceitar a minha realidade, isto é, que eu não sou perfeito. É preciso aceitar a própria fraqueza. Nisso está a verdadeira beleza do ser humano”. “O futuro do mundo está em nossas mãos. Depende do nosso empenho em trabalhar juntos com os outros pela paz. Construir a paz é redescobrir uma visão, um caminho de esperança para toda a humanidade”.

Seja bom o seu dia e abençoada a sua vida. Pax!!!

ÚLTIMAS DO AUTOR

Sandro Rogério dos Santos

Sandro Rogério dos Santos

Sandro Rogério dos Santos é pároco do Santuário Diocesano Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face, situado no Jardim Maracanã, em Presidente Prudente.

Contato: padre@santuariosantateresinha.com

PUBLICIDADE