Infecção Nos últimos 5 anos, casos de HIV caem 48,46% em Prudente

 07/12/2017  - ANDRÉ ESTEVES - Da Redação

A A A

Nos últimos cinco anos, diminuiu a frequência de diagnósticos de HIV (vírus da imunodeficiência humana) em Presidente Prudente. Em 2013 foram registrados 130 portadores do vírus, enquanto neste ano o último balanço computou 67 diagnósticos positivos, decréscimo de 48,46%. Em todo o período, a retração foi visível ano após ano, com exceção apenas de 2016, ano no qual houve uma elevação de 39,7% no número de casos, conforme levantamento divulgado pela VEM (Vigilância Epidemiológica Municipal) com exclusividade para O Imparcial. Em 2014, a equipe contabilizou 80 ocorrências; no ano seguinte, 68; enquanto, em 2016, as confirmações chegaram a 95.

Para o coordenador do Programa DST/Aids municipal, Jefferson Antonio Saviolo, o decréscimo é resultado de dois trabalhos contínuos realizados pela rede municipal de Saúde. O primeiro diz respeito às ações de conscientização voltadas ao público com maior incidência, bem como àquele menos suscetível. Já o segundo é que, em razão desse conjunto de esforços, o teste rápido tem sido ofertado de forma mais fácil para a população.

Hoje, o exame pode ser feito não somente no CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento) do Ambulatório Médico Municipal, como também em toda a rede de UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e ESFs (Estratégias de Saúde da Família). “As pessoas são aconselhadas a, sempre que expostas a uma relação de risco, recorrer ao serviço de saúde e fazer todos os procedimentos. Na ocasião, passamos uma série de orientações para que isso não venha a acontecer mais e, caso aconteça, voltem a buscar o atendimento”, expõe o coordenador.

 

Incidência maior em jovens

Ainda segundo o levantamento da VEM, a faixa etária mais atingida pelo HIV é entre 20 e 29 anos, com 156 casos acumulados nos últimos 5 anos, sendo que o maior pico foi em 2013, com 41 diagnósticos. Em seguida, a incidência mais alta é entre pessoas de 30 e 39 anos, com um total de 147 casos, sendo que 2013 também responde pela maior fatia (46).

Segundo Jefferson, isso ocorre porque este é o momento da vida em que os indivíduos têm a vida sexual mais ativa. O balanço também mostra que a infecção é mais frequente em homens, posto que, de 2013 a 2017, foram apontados 348 casos entre o público masculino contra 92 entre o feminino. Jefferson explica que isso é justificado pela alta concentração de homens que mantêm relações com o mesmo sexo.

Embora a vida sexual comece cada vez mais cedo entre os jovens, o número de diagnósticos envolvendo a faixa etária de 15 a 19 anos nunca ultrapassa dez em Prudente. Para o coordenador do Programa DST/Aids, os adolescentes têm mais acesso à informação e, por esta razão, se previnem mais. Ele ressalta que o serviço promove, atualmente, o aplicativo “Tá na mão”, disponibilizado de forma gratuita nas plataformas Android e iOS. Por meio do software, o jovem tem conhecimento sobre os pontos onde são disponibilizados preservativos e também a PEP (Profilaxia Pós-Exposição). “É um aplicativo bastante didático, pois ainda instrui o usuário sobre o tipo de exposição que ele teve e se precisa buscar um serviço de saúde”, comenta.

 

NÚMEROS

130

diagnósticos de HIV foram registrados em 2013

80 

casos foram identificados no ano seguinte, 2014

68

é a quantidade de confirmações de 2016

95

foram os registros no ano de 2016, único aumento da série

67

são os diagnósticos confirmados neste ano, até o momento, pela VEM

 

Frequência do HIV por faixa etária nos últimos 5 anos

Faixa etária

Quantidade de casos

15 a 19 anos

25

20 a 29 anos

156

30 a 39 anos

147

40 a 49 anos

67

50 a 59 anos

38

60 a 69 anos

6

70 a 79 anos

1

Total

440

Fonte: Vigilância Epidemiológica Municipal

Comentário