Cedida - Mestre Nelson Hilário tem 50 anos de vida, 40 deles totalmente dedicado à capoeira

Foto: Cedida - Mestre Nelson Hilário tem 50 anos de vida, 40 deles totalmente dedicado à capoeira

GINGA PRUDENTE

Nelson Hilário celebra 40 anos de capoeira

Evento que engloba encontro e campeonato terá a presença dos maiores nomes da arte marcial brasileira, como o mestre Burguês, que a levou para mais de 48 países

  • 12/07/2019 04:29
  • OSLAINE SILVA - Da Redação

Para comemorar meio século de vida, 40 deles dedicados a arte marcial brasileira da capoeira, o mestre Nelson Hilário Carneiro convida todos apaixonados por essa arte múltipla, que apresenta gingado especial regado a música e múltiplos movimentos esportivos, para mais um importante encontro que tem início às 20h de hoje, no Teatro Paulo Roberto Lisboa, no Centro Cultural Matarazzo, em Presidente Prudente. Trata-se do 21º Ginga Prudente, anteriormente conhecido como “Encontro Interestadual de Capoeira Muzenza Aberto de Prudente”. A entrada é um quilo de alimento não perecível, que será revertido para a igreja Assembleia de Deus.

E amanhã, no Ginásio Municipal de Esportes Watal Ishibashi, a partir das 8h, abrindo o 11º Campeonato de Capoeira, ocorre um importante curso com o mestre Burguês, que é o presidente do grupo Muzenza. As competições do campeonato começam às 10h e contam com a presença da maioria dos campeões mestres master, professores e monitores mundiais da capoeira.

 “São vários grandes mestres, o principal deles é o Burguês, que levou a capoeira para 48 países, O mestre Busca Longe, tricampeão Mundial, além do mestre Cobrinha, mestre Paulinho Matogrosso, Narizinho, de Maringá [PR]. O mestre da categoria master, Fumê, do Rio de Janeiro [RJ], campeão Mundial, entre outros grandes nomes”, expõe o capoeirista prudentino.

De acordo com o organizador, o nome do evento mudou porque era longo demais para mencionar toda vez que alguém perguntava. “Então para logística e principalmente para a mídia, Ginga Prudente ficou bem mais fácil. Mais Prático”, relata.

Ele explica que o objetivo do evento, que já passa de duas décadas de realização, neste ano especificamente, comemora com a “Roda de Aniversário”, essa data festiva. “Claro que aproveitei essa reunião de tantos nomes importantes e aproveitei para colocá-los como árbitros no campeonato. Inclusive, uma coisa que eu não esperava e aconteceu foi que profissionais da região não quiseram participar porque, segundo eles, era um evento com alto nível, muito elevado. Isso foi algo que confesso me deixou sem palavras”, acentua o mestre Nelson.

Décadas de amor

Para falar sobre o seu amor pela capoeira, Nelson é enfático ao dizer que não tem como resumir esse sentimento se não for com uma palavra “vida”! Isso porque, sua trajetória na arte é longa! Quase meia década praticando essa arte marcial brasileira. Ele diz, inclusive, que depois que escreveu seu segundo livro, por exemplo, “Capoeira Aptidão Física e Lesões: um guia para o treinamento seguro e eficaz” (2017), mais uma porta se abriu com o mestre Burguês, o incluindo no curso de capacitação (de como alongar, treinamento para evitar lesão, flexibilidade, etc), em que todos os alunos, professores, instrutores, mestres, que dão aula na Muzenza, mesmo tendo formação de Educação Física, tiveram que fazer.

“Se consegui dar aula na Unoeste [Universidade do Oeste Paulista] foi exatamente por eu ter o curso de Educação Física, mas principalmente, por eu ser um professor de capoeira, que era o requisito principal para a contratação. A capoeira me abriu muitas portas”, destaca o mestre, que tem grande destaque em trabalhos voltados à terceira idade.

Saúde vital

Nelson se formou pela Unesp (Universidade Estadual Paulista) e ministrou aulas durante dez anos. Para continuar na faculdade fez três pós-graduações, depois mestrado, pois só especialização já não era mais aceita para ser um educador. E hoje é doutorando. Duas de suas pós e o doutorado ele defende o tema “envelhecimento”, tal qual foi o de sua monografia.

“Eu brinco dizendo que hoje estou estudando e aprendendo mais sobre mim [envelhecimento]. É interessante e importante envelhecer com qualidade de vida. E, por isso trabalhamos muito dentro do Muzenza a questão da capacitação para se conhecer bem a estrutura do corpo humano e como ela deve ser trabalhada”, frisa.

Ele pontua que uma preocupação que tem e tenta esclarecer às pessoas é exatamente que existem  problemas de saúde a serem trabalhados por profissionais específicos. E, muitas vezes um trabalho em conjunto é necessário, ou seja, um fisioterapeuta com nutricionista, um capoeirista, entre outros.

“Podemos fazer qualquer esporte com idade avançada, desde que obedecendo nossas limitações. Eu, por exemplo, tenho hoje, muitas. São sete cirurgias no joelho, nos dois ombros. Então se uma pessoa com mais idade vai treinar, chega com dez limitações, em seis meses ela pode ter apenas três. Em um ano talvez, não tenha mais nenhuma. A capoeira só tem a proporcionar melhor qualidade de vida por conta de melhorar os componentes da capacidade funcional. Veja bem, se melhora o equilíbrio, a força e resistência, automaticamente vai melhorar sua qualidade de vida. Quando estamos treinando a capoeira os hormônios liberados melhoram até o nosso humor!”, exclama o mestre Nelson.