Nascimentos vêm diminuindo no Estado de São Paulo, diz a Seade

  • 18/12/2019 06:30
  • Contexto Paulista

O número de nascidos vivos de mães residentes no Estado de São Paulo, em 2018, foi de 605.630. Em 1982, ocorreram 771.804 nascimentos nessa mesma condição, ou seja, quase 166 mil a mais do que o total de 2018. Os dados, baseados em estatísticas do Registro Civil do Estado elaboradas pela Fundação Seade, foram divulgados ontem e revelaram uma tendência de diminuição gradual dos nascimentos ano após ano.

Partos múltiplos

A gravidez múltipla, que corresponde a nascimentos de gêmeos, trigêmeos ou múltiplos, tem aumentado no decorrer dos anos. Passaram de 13 mil, em 2000, para 15,2 mil, em 2018, representando 1,9% e 2,5%, respectivamente, do total de nascimentos do Estado. Essa tendência de crescimento, segundo a Fundação Seade, possivelmente está associada às mudanças de comportamento reprodutivo das mulheres, como o adiamento da maternidade, que por sua vez, pode resultar em necessidade de procedimentos para solucionar dificuldades de reprodução. Essas condutas médicas estimularam a gravidez múltipla.

Mães “de fora”

Do total de nascimentos ocorridos em 2018, 76,5% das mães eram paulistas, 22,2% eram naturais de outros Estados e 1,3% de outros países. Entre as não paulistas, as baianas são a maioria, com 26,2%, seguidas pelas mineiras (13,6%) e as pernambucanas (11,6%).

Aproximadamente 7.600 mães declararam outro país de nascimento: 2.950 (38,7%) são da Bolívia, 930 do Haiti e 600 da China. Quase a totalidade das bolivianas reside na Região Metropolitana de São Paulo, especialmente na capital. As demais imigrantes, com exceção das haitianas, também moram, em sua maioria, na Grande São Paulo (acima de 80%) ou na capital.

Mais algumas curiosidades sobre os nascimentos no Estado

●       A Região Metropolitana de São Paulo responde atualmente por metade dos nascimentos ocorridos no Estado e a região de Campinas por 15% do total.

●       Os nascimentos ocorrem em proporções ligeiramente maiores entre março e maio. Os últimos meses do ano ficam abaixo da média.

●       Os partos operatórios são realizados preferencialmente de segunda a sexta-feira e durante o dia.

●       Em 2018, nasceram 310 mil meninos e 295 mil meninas, resultando em uma razão de sexo de 105 nascimentos do sexo masculino para 100 do sexo feminino, como ocorre na maioria dos países.

●       As idades médias da mãe e do pai foram 28,6 e 31,7 anos, respectivamente. Num período de quase 20 anos, a idade média das mães no Estado ampliou-se em 2,9 anos, revelando uma tendência de gravidez menos precoce.

●       A fecundidade da mulher paulista reduziu-se de 2,08 para 1,68 filho por mulher de 2000 a 2010. Nos últimos anos, entre 2010 e 2018, manteve-se em torno de 1,70 filho por mulher.

Retomada da economia

A economia brasileira consolidará o processo de retomada do crescimento em 2020, com expansão de 2,5%, depois de crescer 1,2% neste ano. A projeção foi divulgada ontem pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), no Informe Conjuntural Economia Brasileira. Segundo a entidade, o PIB (Produto Interno Bruto, soma de todos os bens e serviços produzidos no país) será puxado pela expansão do PIB industrial. A estimativa é que o setor cresça 2,8%, de acordo com a CNI.

Retomada (2)

Para a CNI, a atividade econômica também será impulsionada pelo aumento dos investimentos em 6,5%, em 2020. Para este ano, a previsão é que o PIB industrial cresça 0,7% e os investimentos, 2,8%. A previsão para o consumo das famílias é 1,9%, em 2019, e 2,2%, em 2020. Segundo o estudo, a aceleração na economia na segunda metade deste ano é sinal de que haverá crescimento mais sólido nos próximos 12 meses. De acordo com a CNI, os dados mais recentes indicam aumento do consumo, em consequência da queda da taxa básica de juros, a Selic, e da paulatina recuperação do mercado de trabalho.

Retomada (3)

“A garantia de que esse crescimento [econômico] vai se materializar é a continuidade das mudanças na economia, que vai gerar melhor ambiente de negócios e mais segurança para as empresas investirem mais, contratarem mais”, disse o gerente-executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco. O presidente da CNI, Robson Andrade, afirmou que todas as políticas públicas, como a liberação dos saques do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) ajudam na recuperação economia.

Contas aprovadas

A Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento da Assembleia Legislativa aprovou as contas do poder Executivo relativas ao exercício de 2018 em reunião na segunda-feira, por sete votos a dois. O relatório aprovado foi da deputada Carla Morando (PSDB). Os votos contrários foram dos deputados Gil Diniz (PSL) e Paulo Fiorilo (PT).

Menos poluição

A emissão de poluentes gerados pela frota circulante de 15,3 milhões de veículos no Estado de São Paulo tem diminuído ao longo dos últimos anos. Dados do último Relatório de Emissões Veiculares publicado pela Cetesb, a agência ambiental paulista, indicam uma redução média de 40% dos poluentes nos últimos dez anos, apesar do aumento da frota. A queda foi de 5% entre os anos de 2017 e 2018.