Isadora Crivelli: Bruna: “Enquanto me mantive em silêncio, não fui eu mesma”

Foto: Isadora Crivelli: Bruna: “Enquanto me mantive em silêncio, não fui eu mesma”

Música: dom que vem de dentro

Bruna Daré Cipola, 21 anos, lançou recentemente seu primeiro vídeo na plataforma YouTube; para ela, esta é uma maneira de se encontrar e se expressar  

  • 16/02/2020 05:55
  • GABRIEL BUOSI - Da Redação

“Tudo é tão meu, quando você vem se chegando, de um modo só seu”. Os versos da música “Meu”, de Djavan, muito revelam sobre a relação “artista – música” da jovem de 21 anos, Bruna Daré Cipola. A paixão pela arte não vem de hoje, aliás, as duas são muito mais do que amigas, mas foi no início deste mês que a estudante de Medicina, de Presidente Prudente, resolveu se lançar, por meio de um vídeo no YouTube, e mostrar ao mundo que elas, agora, são uma só.

O vídeo, que conta com a voz e o violão da artista, retrata uma relação que surgiu ainda criança, já que a cantora lembra ter nascido com a arte dentro dela, sendo a música a maneira pela qual conseguiu expressar os sentimentos que vêm de dentro. “Costumo dizer que enquanto me mantive em silêncio, não fui eu mesma”.

Os instrumentos também fazem parte da história dela, já que aos 6 anos começou a tocar piano e aos 12 teve contato com o violão, seu atual companheiro. Além disso, a música também a fez atuar dentro da igreja e aperfeiçoar, com aulas de canto, o dom que lhe foi dado. As preferências estão em músicas antigas e ligadas à MPB (Música Popular Brasileira) e, aos poucos, o contato com a composição também se aflora. “Estou em fase inicial de composição, ainda é algo muito pessoal”.

A cantora se recorda, ao falar sobre a importância da música na vida dela, que por um período precisou se afastar deste universo para se dedicar aos estudos e para que pudesse passar no vestibular, e lembra que ao deixar de lado a paixão, descobriu que “adoece” sem música. “Almejo um futuro com pessoas, independente da quantidade, que gostem de ouvir o que tenho para cantar e que estejam dispostas a conhecer a arte que tenho a oferecer”.

A mãe, Bia Cipola, comenta que a filha é só motivos de orgulho e ressalta que, independente da idade dos filhos, é preciso apoiá-los para que todos os sonhos sejam alcançados. Para ela, mesmo com as dificuldades ao longo da caminhada, não deixar de lutar é fundamental e estar ao lado deles, neste momento, faz toda a diferença. “Vai além do sonho, se trata de um dom e estaremos sempre junto dela. Costumo dizer que nós, os pais, somos os fãs número um”.  


“Almejo um futuro com pessoas, independente da quantidade, que gostem de ouvir o que tenho para cantar e que estejam dispostas a conhecer a arte que tenho a oferecer”.