Arquivo - Em Prudente, por exemplo, município lida com a falta de doses da vacina desde sexta

Foto: Arquivo - Em Prudente, por exemplo, município lida com a falta de doses da vacina desde sexta

GRIPE

Municípios lidam com falta de vacina e baixa cobertura

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, um novo lote de doses está previsto para chegar no DRS de Presidente Prudente, que atende a região, até hoje

  • 05/06/2019 05:06
  • THIAGO MORELLO - Da Redação

Sexta-feira foi o último dia da Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, pelo menos no que tange à imunização dos grupos prioritários. Posteriormente, a partir de segunda-feira, seguindo a diretriz do Ministério da Saúde, a vacinação foi aberta ao público em geral. Contudo, em alguns municípios da região a situação ainda é de falta de doses ou de baixa cobertura, que tem sido impulsionada pela baixa procura, mas também pela insuficiência da vacina.

E, conforme o próprio órgão ministerial, nos grupos prioritários enquadram-se as seguintes qualificações: crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas, pessoas com mais de 60 anos, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional e povos indígenas.

Pensando numa média de imunização de tal público, o prefeito de Euclides da Cunha Paulista, Christian Fuziki Ikeda (PSD), destaca a baixa cobertura que a cidade enfrenta. “Mesmo com a divulgação da campanha, ainda não atingimos a meta de todos os grupos. Está sendo feita busca com agentes comunitários de saúde”, completa. Ele destaca que a quantidade de doses existentes não é suficiente para atender a todos.

Nessa mesma situação, a Prefeitura de Dracena chega a citar que ainda não acabou a vacina, mas a estimativa é que o estoque atual seja suficiente apenas até amanhã. “A meta dos grupos prioritários, que era de 16.684, não foi batida, sendo que o último balanço [de 30 de maio] aponta a população geral vacinada em 13.307 pessoas”, pontua. O valor representa 79,75% do público.

Um pouco acima disso, mas ainda abaixo da meta, que é de 90%, também está município de Pirapozinho, com média de 88,05%. A localidade até alcançou o necessário em alguns grupos, como de puérperas e idosos, mas em outros está longe: que é o caso de gestantes e crianças menores de seis anos. Por lá, conforme a Assessoria de Imprensa da administração municipal, o estoque também está chegando ao final, “sem previsão de recebimento”.

De uma forma mais positiva, em Álvares Machado, a Prefeitura atesta que a cobertura ao menos superou a meta, chegando a 92,12% do público. Contudo, até segunda-feira, o estoque era de apenas 130 doses, com possibilidade de zerar. Cenário esse que já é recorrente em Presidente Prudente, como noticiado desde sexta-feira por O Imparcial. À reportagem, a supervisora da VEM (Vigilância Epidemiológica Municipal), Elaine Bertacco, afirmou que ainda não havia recebido novas doses, pelo menos até o fechamento desta edição.

Estado

A Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, que é quem realiza o reabastecimento nos municípios, foi procurada para falar sobre o cenário. Até a tarde de ontem, a Assessoria de Imprensa da pasta alegou que a previsão é que as novas doses cheguem até “o meio da semana”, no DRS (Departamento Regional de Saúde), que vai administrar o abastecimento das cidades, “conforme a necessidade e realidade de cada uma”.