Arquivo - Indivíduo foi preso em outubro do ano passado

Foto: Arquivo - Indivíduo foi preso em outubro do ano passado

MORTE SUSPEITA

Morre rapaz acusado de assassinar advogado em Pirapozinho

Indivíduo de 26 anos deu entrada na UPA do Jardim Guanabara com sintomas de gripe e pneumonia viral

  • 15/02/2020 12:36
  • ROBERTO KAWASAKI - Da Redação

A Polícia Civil investiga a morte do rapaz de 26 anos, apontado como o assassino do advogado Wagner Alonso Álvares, ocorrido em outubro em Pirapozinho. Ele estava preso preventivamente na Penitenciária Wellington Rodrigo Segura, em Montalvão, e morreu depois de dar entrada na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Jardim Guanabara, em Presidente Prudente.

De acordo com a Prefeitura, o rapaz chegou à unidade de saúde e foi internado em estado grave, com sintomas de gripe e pneumonia viral. Depois de receber os atendimentos médicos, faleceu durante a madrugada. O corpo foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) para a identificação da causa da morte.

A suspeita, segundo a Polícia Civil, é de que ele estivesse com H1N1.

LATROCÍNIO

Como noticiado por este diário, o acusado pela morte do advogado Wagner Alonso Álvares, 74 anos, foi preso no dia 31 de outubro de 2019. Conforme a Polícia Civil, a vítima foi morta depois de ceder carona para ao indivíduo que, até então, era dado como suspeito de um possível sequestro.

Desde o pedido de carona (na casa de Wagner) até o local da morte, passaram-se cerca de 40 minutos. Conforme o delegado Rafael Guerreiro Galvão, o acusado tem diversas passagens criminais, com registros de roubo, tráfico e lesão corporal. O que chama a atenção é que ele já era conhecido pela família da vítima “há um bom tempo”, completa.

O caso foi tratado como latrocínio – roubo seguido de morte. Informações preliminares repassadas à Polícia Civil apontaram que havia 16 facadas no corpo de Wagner, sendo elas no pescoço e tórax.