Isadora Crivelli - Depois de ouvirem orientações, munícipes reuniram-se para limpar a praça

Foto: Isadora Crivelli - Depois de ouvirem orientações, munícipes reuniram-se para limpar a praça

PARQUE SHIRAIWA

Moradores fazem mutirão de limpeza contra a dengue

  • 15/02/2020 05:28
  • MARCO VINICIUS ROPELLI - Especial para O Imparcial

Muito se fala, quanto aos cuidados com o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e de outras doenças, que os cidadão precisam manter suas casas e quintais limpos. É uma verdade incontestável. Mas não é somente em casa que está o munícipe, ele vai ao trabalho, ou vai à praça, ao parque, ou seja, não basta apenas os cuidados com a residência, a limpeza e respeito devem estar em cada parte do município e nas ações de cada cidadão.

Segundo a educadora de saúde da VEM (Vigilância Epidemiológica Municipal), Maria Clara Sahu, 51 anos, é justamente esse o intuito das reuniões que vêm sendo realizadas com grupos da melhor idade de bairros de Presidente Prudente, ação que faz parte da Semana Estadual de Mobilização Contra o Mosquito Aedes aegypti. A cidade, que até o fechamento dessa matéria registrava 200 casos positivos da doença, de acordo com ela, possui 60 agentes da VEM trabalhando; o número não permite que toda e qualquer situação de risco de proliferação seja controlada, daí a necessidade de contar com a população.

“Nosso objetivo é que olhem com cuidado para o ambiente que frequentam”, pontua Maria Clara, “que o aluno cuide da escola, que a comunidade religiosa cuide da igreja e de sua praça”. No caso da manhã de ontem, o ambiente eram a praça e academia da terceira idade do Parque Shiraiwa. Por lá, idosos frequentadores do local ouviram as palavras e orientações da educadora e, por fim, realizaram uma limpeza no local.

Ao longo da conversa, vários deles demonstraram preocupação com uma possível epidemia, mais ainda quando lembraram-se, por intermédio de Maria Clara, da maior epidemia de dengue da história da capital do oeste paulista, entre 2015 e 2016, quando foram contabilizados cerca de 13 mil casos e 30 óbitos, além é claro da epidemia contínua que Prudente enfrenta desde o ano passado. “Estamos trabalhando para que vocês se apropriem dessa responsabilidade”, reforça a educadora de saúde.

CONSCIÊNCIA ANTES

QUE SEJA TARDE

Não é preciso ter contraído a doença ou ter um caso na família para fazer a diferença nos espaços que frequenta. É por isso que todos os participantes se dedicam também à limpeza dos locais. Além do Parque Shiraiwa, os mutirões também ocorreram em outros bairros durante a semana, como a Vila Iti, Jardim Everest, Residencial Ana Jacinta e outros.

A dona de casa Ivanice Ribeiro de Souza, de 52 anos, é prova de que o sofrimento é muitas vezes causado pelo desleixo de terceiros. Ela, moradora do bairro há 33 anos, conta que o marido, funcionário de um mercado no centro de Prudente, pegou a doença ao ser picado lá, durante a epidemia de 2016. Ele se recuperou, apesar de ter passado por situações difíceis, mas viu um jovem colega de trabalho falecer. “Eu nunca joguei lixo, penso no outro, depois disso, inclusive, meu marido pegou terrenos próximos de casa para cuidar”, relata.

Como Ivanice, os moradores pensam no outro, no vizinho, amigo, parente. Sabem e se impressionam, ao observar as larvas levadas dentro de uma garrafa pelas integrantes da VEM, que algo tão pequeno pode fazer muito mal para o homem.