Moradores do Residencial Universitário pedem poda ou remoção de árvores com ameaças de danos

ANDRÉ ESTEVES - Da Redação • 21/01/2018 04:40:13

. Foto: Marcio Oliveira, Letícia diz que rachaduras em calçada tiraram acessibilidade

As árvores constituem elementos importantes para a paisagem urbana, tendo em vista que não só garantem sombra, como também contribuem para a melhoria da qualidade do ar. No entanto, em determinadas circunstâncias, o crescimento desenfreado das espécies passa a gerar transtornos para a população de algumas áreas de Presidente Prudente. É o que ocorre no Residencial Universitário, onde árvores de grande porte têm sido alvo de reclamação por parte dos moradores locais. Com o objetivo de evitar danos a veículos e residências, eles solicitam a visita técnica da Semea (Secretaria Municipal de Meio Ambiente) a fim de verificar a possibilidade de poda ou derrubada de alguns dos exemplares que oferecem mais riscos.

Uma destas espécies está na Rua Jânio da Silva Quadros, aponta a dona de casa Benice Merces de Souza, 60 anos, que teme a queda dos galhos sobre veículos estacionados em dias de chuva forte. A residente conta que o receio existe desde que parte de uma árvore ao lado despencou em cima do carro de um vizinho e amassou a lataria, mas nesse caso, a poda foi providenciada. Enquanto nada é feito, a munícipe acredita que os usuários devem tomar cuidado antes de estacionar seus automóveis sob a árvore, para evitar possíveis gastos com reparos. Sinalizada a respeito da queixa, a Semea informou que toda erradicação de qualquer espécie arbórea deve ser solicitada por meio de processo administrativo junto à seção de protocolo da Prefeitura. Pedidos de podas também podem ser feitos por meio do telefone da Central de Atendimento 156 da administração municipal. “Em ambos os casos, é enviado um técnico ao local”, enfatiza.

 

Rachaduras na calçada

Já na Rua Satoru Honda, a dona de casa Letícia Ferreira Alves Coelho, 36 anos, cobra uma resposta da municipalidade quanto ao corte de uma árvore cujas raízes provocaram rachaduras na calçada de sua residência. Ela relata que, há três anos, iniciou uma reforma na casa e solicitou permissão para a remoção da espécie com o propósito de incluir a planificação da calçada entre as etapas da obra. Na época, a moradora fez o pagamento da taxa solicitada pela Semea para o serviço e realizou o plantio de uma nova espécie, conforme preconizado, porém, até o momento ainda não obteve a liberação prometida pela pasta. Ela completa que o atual estado da calçada prejudica a acessibilidade para um eventual cadeirante que passar por ali, bem como ameaça a segurança de idosos que utilizam o caminho para seu deslocamento.

A respeito deste caso, a pasta do Meio Ambiente esclarece que todas as vistorias no que tange à erradicação de árvores são seguidas de laudo técnico no qual é informado o deferimento ou indeferimento com seus respectivos motivos. Complementa que o munícipe possui um número de protocolo em que acompanha o andamento do processo. Tal acompanhamento pode ser via telefone junto à secretaria (3906-5275) ou pela internet, no site da administração (presidenteprudente.sp.gov.br).

 

Presença de cupins

O aposentado Antônio Pieretti, 74 anos, lamenta a derrubada de árvores, uma vez que propiciam sombra para os moradores, entretanto, entende ser necessário em algumas situações. “Até mesmo porque algumas delas estão contribuindo para a proliferação de cupins, que têm migrado para as residências”, comenta. A Semea pontua que, em tal circunstância, o cidadão também pode solicitar uma vistoria técnica para averiguar a situação do estado fitossanitário da árvore. “Desta forma, o profissional poderá instruir sobre a erradicação ou tratamento da planta com cupinicida”, explica.

 

(((BOX)))

Estrutura do bairro

Ano de implantação: 1990

Área de loteamento: 209.407,93 m²

Área verde: 21.043,93 m²

Quadras: 25

Construções: 372

Terrenos baldios: 82

População estimada: Cerca de 2 mil pessoas

Fonte: Secom

 

SERVIÇO

A população pode promover suas reclamações, críticas e elogios sobre o bairro em que reside. O contato deve ser feito com os profissionais da Pauta, por meio do pauta@imparcial.com.br, do telefone 2104-3732 ou do Whatsapp 99104-8537.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste