Servindo de exemplo

Matarazzo é registrado como 1º prédio sustentável de Prudente

Agora a cidade concorre, até 30 de setembro de 2019, a uma certificação com 645 municípios do Estado no programa “Município Verde Azul” da SMA

SANDRA PRATA - Especial para O Imparcial • 18/10/2018 06:01:00

. Foto: José Reis: Evento marcou inscrição da cidade no programa “Município Verde Azul”

Quando o assunto é história de Presidente Prudente, aqueles que conhecem a cidade tem apenas um nome em mente: Centro Cultural Matarazzo. O prédio, que antes era espaço da Indústrias Matarazzo de algodão, existe na cidade desde 1937. Tanta memória precisa ser reconhecida. Por isso, a Prefeitura de Presidente Prudente, por meio da Semea (Secretaria Municipal de Meio Ambiente), inscreveu o local no programa “Munícipio Verde Azul” da SMA (Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo). Com 645 participantes de todo o Estado, o objetivo é posicionar a cidade como referência em assuntos como biodiversidade, educação ambiental e gestão sustentável. O prazo final para alcançar esta meta é dia 30 de setembro de 2019. Durante a manhã de ontem, na Sala de Cinema Condessa Filomena Matarazzo, a iniciativa foi oficializada com a entrega de uma placa. Esta que sinaliza o registro do prédio como modelo de sustentabilidade local. A solenidade foi conduzida pela equipe da Secult (Secretaria Municipal de Cultura) da qual o titular, José Fabio de Sousa Nougueira, se diz “orgulhoso por tornar esse título possível”.

O programa existe desde 2007 e Prudente está na busca pela certificação desde a primeira edição. Porém, é a primeira vez que a cidade nomeia um prédio modelo. De acordo com Eliane Junqueira, funcionária da Semea e interlocutora do programa, cada uma das cidades participantes deve conter dez diretivas pré-determinadas para concorrer. Entre estas, ela elenca a porcentagem de biodiversidade no perímetro urbano, o empenho em relação a educação ambiental e a gestão de águas e esgoto. “Cada uma dessas etapas possui pontos e certas tarefas que devemos cumprir. A primeira era apresentar um prédio como modelo de sustentabilidade. Quando soubemos disso, não conseguimos pensar em outro que não fosse o Matarazzo, inclusive nele encontramos 19 itens dos 10 exigidos”, explica. O prazo final para o cumprimento das etapas é 30 de setembro de 2019. Na data, as cidades que obtiverem pontuações iguais ou superiores a 80 pontos serão certificadas com selo de “município verde azul”. Além disso, ganharão a chance de estampar o ranking estadual de comunidades mais sustentáveis.

De acordo com o prefeito Nelson Roberto Bugalho (PTB), ter o Matarazzo como modelo serve de exemplo para que outras instalações da cidade se motivem e se tornem mais ativas no meio sustentável. Assunto esse que, para Bugalho, é algo emergente e deve ser colocado na pauta da sociedade atualmente. “Ter uma construção dessas é benéfico no ponto de vista de dois aspectos, economia de recursos públicos e de recursos naturais. Hoje se fala muito em opções sustentáveis para diminuir gastos com energia, por exemplo, e o Matarazzo tem essa eficiência energética. Então, ter um prédio deste segmento na cidade, serve para ver que o trabalho está sendo feito com êxito e que deve ser expandido para outros locais”, expõe.    

Sobre os aspectos do centro cultural que devem ser evidenciados como exemplos a serem seguidos, o titular da Semea, Wilson Portella Rodrigues, destaca alguns. Dentre os quais a otimização do uso de recursos naturais se sobressai. “Trocar lâmpadas fluorescentes por Led, utilizar sensores de presença, redutores de vazão de água em torneiras, tudo isso parece simples, mas reflete positivamente no orçamento e na melhoria de qualidade ambiental”, pontua.

 

Rotina sustentável

Além de destino dos prudentinos que gostam de apreciar artes, teatro e cultura. O Matarazzo também é a sede da Secult. Em razão disso os funcionários e o secretario passam grande parte do dia desfrutando das estruturas do local. O chefe da pasta denota que os ganhos são perceptíveis, já que além de um ambiente mais agradável climaticamente, o espaço é responsável pela economia de R$ 250 mil dos cofres públicos há cada quatro anos. “Se analisarmos bem, é cerca de ¼ de um milhão de reais poupados, isso tudo sem investimentos, apenas com o reaproveitamento do que a natureza proporciona, como iluminação e ventilação natural, por exemplo”, acentua José Fábio.

Além disso, o prédio abriga telhas de vidro e a maioria das portas e vãos também no mesmo material. Outro destaque da instalação são as coberturas vegetais com gramas que possibilitam a permeabilização da água do solo. “Com lâmpadas econômicas, sistema de ventilação cruzada para melhor circulação do ar e lixeiras de coleta seletiva, tudo contribui para um espaço consciente”, frisa o secretário.

Segundo ele, para que tudo isso seja possível, é preciso uma constante “reciclagem” dos funcionários sobre o tema. “Todas as manhãs das primeiras sextas-feiras dos meses não abrimos ao público porque a nossa equipe passa por capacitações que conscientizam da importância de criar um ambiente sustentável”, explana. Ademais, completa ao dizer que cuidar do meio ambiente é um dever de todos e não apenas de poderes responsáveis. “É um assunto que todo mundo ganha e todo mundo perde, por isso deve ser cultivado e cuidado com zelo”, acentua.

 

SAIBA MAIS

O Centro Cultural Matarazzo está localizado na Rua Quintino Bocaíuva, 749 na Vila Marcondes em Presidente Prudente. O espaço que recebe peças teatrais, atrações musicais e múltiplas ações culturais contempla de uma área de 10.800 m². Além disso, o local fica aberto para visitação para aqueles que desejam conhecer um pouco mais da história da cidade. O horário de funcionamento é de segunda-feira a sábado das 8h30 às 22h. Aos domingos das 10h às 22h.


 

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste