Maioria das empresas paulistas vai investir em inovação este ano

  • 05/06/2019 08:59
  • Contexto Paulista

O investimento em inovação é um tema prioritário para a maior parte dos empreendedores paulistas, segundo pesquisa da agência Desenvolve SP feita com mais de 4 mil empresários paulistas. A maioria dos 4.228 entrevistados lidera micro e pequenos empreendimentos (84,6%), seguidos por startups (8,2%) e médias empresas (6,7%). De todo o grupo, 61,4% disseram ter o investimento em inovação como meta principal até o final de 2019.

Inovar é preciso

69,7% dos empresários entrevistados responderam que ser uma empresa inovadora é essencial para a competitividade do negócio. Quase metade (46,6%) dos empresários diz já se considerar à frente de um negócio inovador. A definição de inovação varia. O conceito de inovação está relacionado à “adoção de novas tecnologias”, “criação e lançamento de produtos ou serviços revolucionários” ou “melhorias em produtos, serviços ou processos já existentes”.

Não precisa ser disrupção

“Muitos empreendedores ainda estão presos a uma ideia de que inovação, obrigatoriamente, precisa ser disruptiva”, diz Rafael Bergamaschi, superintendente da Desenvolve SP. “Entretanto, é possível inovar investindo na melhoria de produtos ou processos já existentes”.

Cenário à vista

Um conjunto de estudos, nos próximos cinco anos, traçará o cenário da inovação no território paulista, a partir de acordo que acaba de ser firmado entre a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial). “Melhores indicadores permitem formular melhores políticas e compreender como tem evoluído nosso sistema de inovação. Sem métricas e sem indicadores não sabemos de fato para onde estamos indo”, diz Carlos Américo Pacheco, diretor-presidente do CTA (Conselho Técnico-Administrativo) da Fundação.

Qualificação

O CPS (Centro Paula Souza) abriu 23 mil vagas de ensino profissional tanto presencial, quanto a distância, para alunos do ensino médio da rede estadual paulista. O programa Novotec quer qualificar estudantes da Secretaria Estadual da Educação com cursos rápidos nas versões Expresso e Virtual.

5 de junho

Neste ano, o tema do Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em 5 de junho, é a poluição do ar. A ausência de tratamento correto dos resíduos sólidos resulta em poluição do ar, entre outros prejuízos ao meio ambiente e à saúde das pessoas. Isso ocorre, principalmente, com a queima a céu aberto do material descartado e a incineração de resíduos domiciliares por empresas que não controlam os gases lançados na atmosfera. Anualmente, são lançados na atmosfera do país aproximadamente 68 milhões de toneladas de dióxido de carbono, causador do efeito estufa, associado ao aquecimento global.

Idosos

Projeto de lei em discussão na Assembleia Legislativa institui a Semana Estadual do Idoso em todo Estado de São Paulo para conscientizar a população sobre as questões ligadas ao envelhecimento da população. Os créditos consignados, oferecidos largamente em instituições financeiras, foram apontados na Frente Parlamentar que cuida do tema como um “grande vilão da terceira idade”.

Turismo rural

Sheila Aparecida da Silva, ex-aluna do curso superior tecnológico de Agronegócio da Fatec (Faculdade de Tecnologia do Estado) de Mogi das Cruzes, teve a ideia de oferecer consultoria a proprietários rurais interessados em expandir os rendimentos “abrindo a porteira” do seu negócio, literalmente, para o turismo. Moradora de Guararema, e também formada em curso técnico de Guia de Turismo, ela conta que a primeira experiência ocorreu em um alambique. “Organizamos visitas guiadas para mostrar o passo a passo da produção artesanal, contribuindo para demonstrar a qualidade da cachaça e ampliar o conhecimento dos turistas e apreciadores. Hoje, o produtor é bem conhecido na região e se dedica à exportação”, diz.

Vivenciando a produção

Outro caso de sucesso é o projeto desenvolvido em uma propriedade familiar que tem como atividade principal a criação de abelhas e a produção de mel. O turismo rural aumenta as vendas dos seus produtos e movimenta a economia do entorno. “As pessoas ficam encantadas ao vivenciar o trabalho e ver a beleza das abelhas em busca do pólen. Ao final do passeio, elas querem comprar mel para levar para casa, além de outros produtos naturais fornecidos pela vizinhança”, conta Elaine Pacito, proprietária do Sítio São Benedito.

Natureza exuberante

“A Região do Alto Tietê tem uma grande vocação para o turismo por sua natureza exuberante e pela proximidade da metrópole”, afirma Elias Ribeiro de Castro, coordenador do curso de Agronegócio da Fatec de Mogi das Cruzes. “A agricultura familiar também é muito forte. O papel do curso é preparar profissionais focados em buscar alternativas para alavancar o setor agropecuário, tendo como prioridade o uso racional dos recursos naturais e a preservação do meio ambiente”.