Cotidiano

Luis Sobral

  • 08/12/2018 05:02
  • Luis Sobral

Tenho defendido a integração da cultura com a educação há tempos. Não se pode imaginar – nem acreditar – que esses dois grandes agentes de transformação andem separadamente. Mas muitas vezes andam. Tem sido assim no Reino Unido. A britânica Edge Foundation divulgou este ano um estudo no qual aponta o impacto negativo causado pela marginalização do ensino de artes no país, especialmente em áreas como ciência e medicina, o que acaba por refletir em profissionais com pouco pensamento tático e criatividade.

Existe um panorama diferente nos Estados Unidos. Departamentos de medicina de renomadas universidades norte-americanas – entre elas, a Harvard – incluem as artes na grade curricular, estabelecendo uma conexão entre os estudantes e diferentes expressões culturais para que sejam mais inventivos, além de abranger de maneira humanizada valores como ética e empatia.

Foi com uma mentalidade mais alinhada ao segundo exemplo que foi implantado, sob determinação do governador Márcio França (PSB), através da FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação), o programa Cultura Ensina, promovendo a imprescindível união entre cultura e educação. Iniciado em agosto de 2018, o programa vem oferecendo em escolas da capital, interior e litoral apresentações de teatro, música, dança, circo, artes visuais e oficinas, de talentos em ascensão e artistas de renome, como a jovem rapper MC Soffia, a companhia circense LaMínima, o Ballet Stagium e a atriz Regina Duarte, entre tantos outros.

O Cultura Ensina vem ainda levando os alunos da rede estadual a uma série de instituições culturais, como Bienal, Pinacoteca, Museu do Futebol, Itaú Cultural, Cineclube Cauim e Museu do Café de Santos, fazendo com que esses jovens se apropriem também desses espaços. A diversidade de manifestações artísticas é determinante no desenvolvimento do indivíduo, em especial do jovem em formação. Afinal, a cultura ensina aquilo que a educação exige. É oferecendo mais contato com a cultura e possibilitando mais reflexão que teremos no futuro melhores cidadãos, melhores médicos, melhores cientistas, melhores artistas, melhores professores, melhores pessoas.

A semente está plantada. É necessário que mais programas como este surjam em todo o país, e que sejam continuados. É por isso que, antes de deixar a cadeira da presidência da FDE, tomei algumas decisões acerca do Cultura Ensina. Para os próximos doze meses a fundação paulista está garantindo mais de um milhão de quilômetros para que cerca de 750 mil alunos possam continuar visitando instituições e atividades culturais. Num país com tanta desigualdade, nosso cotidiano de trabalho deve ser transformado num lugar de promoção do futuro. Façamos além dos limites do possível para a sociedade reduzir a vulnerabilidade social, seus conflitos e violência. Façamos mais porque a sociedade precisa de nós.

ÚLTIMAS DO AUTOR

A solução do MEI

  • 25/04/2019 04:53

Melhores perspectivas

  • 09/02/2019 05:02
Luis Sobral

Luis Sobral

Luis Sobral é presidente da FDE (Fundação paro o Desenvolvimento da Educação) e ex-presidente da Abraosc (Associação Brasileira das Organizações Sociais de Cultura).

PUBLICIDADE