APÓS CUSTÓDIA

Justiça determina prisão preventiva a mãe

Mulher de 39 anos foi flagrada por uma enfermeira tentando asfixiar a filha de 7 meses enquanto amamentava a criança na Santa Casa da cidade Junqueirópolis

  • 14/03/2019 04:12
  • ROBERTO KAWASAKI - Da Redação

O Fórum do Tribunal de Justiça em Junqueirópolis concedeu prisão preventiva a uma mulher de 39 anos, que foi flagrada tentando asfixiar a filha de 7 meses enquanto a amamentava na Santa Casa da cidade. A reportagem não obteve informações a respeito dos argumentos utilizados durante audiência de custódia, mas, conforme adiantado pela Polícia Civil, contra a mulher já havia denúncias de condutas semelhantes de maus-tratos, como a falta de zelo com a única filha. A Polícia Civil abriu inquérito e tem 30 dias para finalizar a investigação, prazo que pode ser prorrogável.

O delegado Eliandro Renato dos Santos explica que a história começou depois que assistentes sociais da Prefeitura levaram a menina à Santa Casa local devido suspeitas de maus-tratos. Após ser medicada, foi constatado que a bebê apresentava fraturas em duas costelas, além de outras lesões observadas pelo corpo. Pelo protocolo do hospital, a menina teve que ter o acompanhamento da mãe enquanto esteve no hospital. 

Depois de medicada a criança, a mulher entrou em um quarto para amamentar a filha. De acordo com a Polícia Militar, em determinado momento a enfermeira teria ouvido “um choro bem forte” vindo do ambiente, quando ela e demais pacientes surpreenderam a mãe supostamente tentando asfixiar a criança. “A asfixia mecânica teria ocorrido mediante compressão das narinas, concomitante à ingestão de leite pela mamadeira, que estava na boca”, afirma a autoridade à frente do caso.

Ao ser chamada a atenção da acusada, a mesma interrompeu a suposta agressão. Devido aos ferimentos que foram diagnosticados na costela, a médica plantonista optou pela internação por conta da saúde fragilizada. A avó materna ao saber da internação, fugiu do pronto-socorro com a criança sem a autorização da equipe, no entanto, a criança novamente foi recolhida e levada ao hospital.

“Falta de zelo”

Diante do fato, a mulher foi conduzida à Delegacia de Polícia Civil, onde foi interrogada a respeito da ocorrência. Conforme o delegado, ela alegou que o mecanismo para amamentar era utilizado “porque a criança tem dificuldades em ganhar peso”, e “como quase não se alimenta, utiliza o artifício para amamentar um pouco mais”.

Depois de prestar depoimento, a mulher passou a noite em cárcere. Segundo a Polícia Civil, a acusada não tem registros criminais, no entanto, representantes da Santa Casa e do Conselho Tutelar informaram que contra ela há denúncias de condutas semelhantes de maus-tratos, como a falta de zelo com a única filha. A criança está internada na Santa Casa de Dracena sob responsabilidade do Conselho Tutelar. No local, ela recebe assistência da equipe médica, segundo afirma a Polícia Civil.